Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Intervenção militar? Isso não é coisa de direitista, mas de burro

Os que salivam e se excitam com o verde-oliva não venham encher o meu saco! Eu já me despedi de vocês, não? Vão procurar sua turma!

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 00h12 - Publicado em 30 out 2015, 16h23

Olhem aqui: muitos leitores estão discordando deste ou daquele aspecto, quando não da opinião na sua inteireza, que expressei sobre a saída do general Antonio Hamilton Martins Mourão do Comando Militar do Sul. Foi uma punição, sim, decidida pelo comandante-geral do Exército, Eduardo Villas Bôas, e pelo ministro da Defesa, Aldo Rebelo.

As discordâncias estão sendo publicadas quando civilizadas. Mas há uma ala hidrófoba, que não pode ver um uniforme verde-oliva que já começa a salivar, que veio encher meu saco. E lá vêm as grosserias. Estão lembrando, inclusive, meu passado trotskista. Podem lembrar à vontade. Eu fui o primeiro a contar histórias a respeito. Não preciso de biografia não autorizada.

Aqui e ali se diz que pessoas que defendem intervenção militar ou que querem apelar aos quartéis são “de direita”. Se assim se sentem, ok. Mas é mentira.

Angela Merkel é de direita. Konrad Adenauer era de direita. Margaret Thatcher era de direita. Winston Churchill também. Mariano Rajoy é de direita. David Cameron é de direita. E nenhum deles pensou ou pensa em pôr os quartéis para governar, ainda que temporariamente.

Há uma diferença entre direitismo e burrice, como deriva haver entre esquerdismo e estupidez — nesse caso, parece tarefa impossível.

Continua após a publicidade

Só se decepcionou ou se surpreendeu com o que escrevi quem não havia entendido até agora o que penso. Se e quando precisarmos das Forças Armadas, no cumprimento do Artigo 142 da Constituição, os Poderes Constituídos a elas apelarão.

O sujeito que defende golpe militar é tão adversário meu quanto qualquer esquerdista golpista, do PT ou de qualquer outro partido.

Não me confundam!

De resto, o general Mourão atentou contra dois dos pilares das Forças Armadas: hierarquia e disciplina. Não fossem eles, por que as sociedades dariam a milhares de homens o monopólio do uso legal da força e das armas? Para que os armados decidissem quando intervir ou não? Que lixo de pensamento!

Defender intervenção militar é pensamento pré-político; coisa de horda, de milícias, de brucutus — e, no caso em questão, horda, milícias e brucutus impotentes, que pregam no deserto: ainda que pudessem tê-lo, os militares não querem o poder.

De resto, quem sabe história também sabe que já tivemos um general Mourão. Não precisamos de outro.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)