Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Há um “herói” que ainda está solto: Mano Brown

Leia primeiro o post abaixo Ao longo da história, a visão idealizada sobre o pobre — uma das muitas heresias do cristianismo —  foi substituída pela glorificação da marginalidade, e esta é uma das heresias do marxismo. Marx, Lênin, Trotsky, Gramsci… Não há um só miserável pensador (e militante pra valer) da esquerda que de […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 13h18 - Publicado em 20 dez 2010, 22h04

Leia primeiro o post abaixo

Ao longo da história, a visão idealizada sobre o pobre — uma das muitas heresias do cristianismo —  foi substituída pela glorificação da marginalidade, e esta é uma das heresias do marxismo. Marx, Lênin, Trotsky, Gramsci… Não há um só miserável pensador (e militante pra valer) da esquerda que de fato tenha feito história (ainda que para o mal) que endosse ou endossasse as bobagens ditas por Mano Brown, Ferréz ou aqueles infelizes que fazem a trilha sonora do narcotráfico no Rio. Não há nessa gente teoria revolucionária. Há exaltação do banditismo, e, no que concerne à política, quando muito, exalta-se o pobrismo.

Hobsbawm tem um livro interessante chamado Rebeldes Primitivos. Eu escrevi “interessante”, não escrevi “bom”. A rebeldia de movimentos de protesto contra o capital, no século 19, guardaria uma intimidade e um estranhamento com os movimentos revolucionários: as motivações seriam idênticas, mas seu alcance, distinto. Porque faltaria àquelas ações a direção política e a devida compreensão do processo histórico, e isso só foi alcançado pelos movimentos socialistas. Hobsbawm é o que restou, e é pouco, da “esquerda pensadora” (ainda que pense besteira) e, de fato, “marxista”.

Pois bem. Os socialistas inventaram para si mesmos uma história evolutiva, a partir de pistas fornecidas pelo próprio Marx: o socialismo teria caminhado da fase utópica para a científica, quando, então, a revolução passa a ser, para eles, o resultado de uma equação. Notem bem: equação a ser ensinada à militância; uma equação extraída da própria natureza do processo social, já que o horizonte socialista, para os marxistas autênticos, é fatal, não uma escolha. Uma ou outra coisas podem retardar o advento, mas não impedir. Nada mais é do que uma versão sem Deus do Juízo Final. Todas as religiões têm estruturas semelhantes, como sabem.

Fim da URSS, queda do Muro de Berlim, triunfo da globalização, mercados sem fronteiras, “comunismo” chinês de mercado… A esquerda está desmoralizada, perdeu suas bandeiras, não tem para onde correr. E o que ela faz? Renuncia, então, àquilo que pretendia ser o aporte científico de sua formulação – “a classe operária (que também acabou) é revolucionária” – e se volta para a glorificação de uma versão contemporânea dos rebeldes primitivos: Mano Brown, Ferréz, aqueles funkeiros, sei lá quem de calça caindo com a cueca à mostra.

Ocorre que a vitória do capitalismo é tão avassaladora que também essas vozes da contestação só existem como uma faceta da cultura de mercado. Ou será que Mano Brown não manipula, com esperteza, a sua fama de mau? Ou será que Ferréz não obtém vantagens de sua condição de “pensador” do Capão Redondo? Não interessa. Eles passam a ser os, vá lá, “ícones” daqueles que assumem o papel de críticos do capitalismo. São a encarnação do “bom selvagem” dos sonhos de justiça das Marias Ritas Kehl.

Continua após a publicidade

Não disputarei com esses adoradores do discurso da marginalidade um braço-de-ferro para saber quem conhece mais de perto o pobre e a pobreza. Tenho horror à demagogia e à solidariedade putativa com a “causa dos oprimidos”. O que importa não é a origem social do crítico,  mas os seus “compromissos”. O sujeito pode ter uma origem burguesa e ser um exímio revolucionário, a exemplo de Che Guevara – exímio mesmo, até na celeridade com que prendia, julgava e matava. E pode, vejam só, ser um trânsfuga como este escrevinhador: da pobreza para a mídia plutocrata!! No fim das contas, diria um realista, o que importa é o que os trânsfugas de ambos os lados fazem de prático para ver realizadas suas utopias, certo? O que importa é o que as Kehls fazem de efetivo para libertar os oprimidos e o que eu faço para mantê-los subjugados, agora que não sou mais um deles e decidi lhes dar um pé no traseiro.

O balanço seria vexaminoso pra mim e pra eles. Nem eles libertam ninguém nem eu oprimo ninguém. Atuamos todos, quando muito, no fórum da opinião pública, com questões que dizem respeito a valores. Eu não consigo condescender com o crime e com a violência; também não simpatizo com as teorias que vêem na origem social do indivíduo a gênese de suas escolhas morais. Trata-se, é verdade, de uma constatação de sua duas faces:
1) conheço os pobres de perto – não de manual, a exemplo do bom burguês esquerdista -, e sei que podem ser bons e podem ser maus, como quaisquer indivíduos. Mas não superestimo a experiência pessoal;
2) também o que li, e não apenas o que vivi, me indica que o cumprimento da lei, numa ordem democrática, é o melhor caminho para a solução de conflitos. Não é uma escolha tranqüila. A suposta legitimidade da violência está sempre assombrando a legalidade.

E a linha final do item 2 vai me levando para a conclusão deste post. A esquerda tinha uma utopia, a que não faltou, como todos sabemos, a justificação do crime, se necessário, em nome do porvir. Hobsbawm, o marxista, o revolucionário, o defensor do poder operário, continuou fiel à URSS, quando ela mantinha um pacto com a Alemanha nazista, em vez de se alinhar com o Inglaterra. Sob certas circunstâncias, para um comunista, o nazismo pode se constituir numa boa aliança estratégica…

Mas aquele ainda era o esquerdismo que se queria “científico” – mesmo que a racionalidade a que apelasse, sob o pretexto de ser dialética, nada mais fosse do que a justificativa do mal. Os modernos esquerdistas, sem mais aparato racional que justifique as suas utopias, voltaram ao estágio anterior ao do “socialismo científico”: são, em tudo e por tudo, pré-modernos; passaram a exaltar os “rebeldes primitivos” (de resto, falsos porque beneficiários do capitalismo, a exemplo de qualquer um que eles chamam “burgueses”); passaram a aderir a formulações que, a rigor, seriam pré-políticas. E erram até nisso, já que o PT, obviamente, instrumentaliza essa “rebeldia”. Mano Brown é um lulista convicto!

A periferia de São Paulo ou os morros do Rio seriam uma espécie de manguezal ou de ninhal de uma nova verdade – não, melhor ainda: da mesma e eterna verdade: a verdade do oprimido. É evidente que nada há mais de marxismo aqui; estamos de volta às mesmas formulações dos socialistas utópicos, tão severamente combatidos por Marx.
*
Encerro
Com algumas modificações e cortes, o texto acima foi publicado neste blog no dia 8 de outubro de 2007
há mais de três anos, pois. Nós vimos do que deu a idéia de que uma nova civilização estava nascendo no Rio, aquela em que a polícia não subia o morro, mas as ONGs, sim — para ensinar as crianças a bater lata e a fazer versos de pé quebrado.

Gente como Mano Brown não passa de bibelô de “integradinhos” do miolo mole, que gostam de flertar com o discurso marginal de butique. O problema é que a fala deste valente acaba integrando a educação sentimental de milhares de crianças da periferia. E muitas delas acabam acreditando que, com efeito, os heróis estão presos…

Nem todos, né? Mano Brown, por exemplo, ainda está solto.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês