Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Greve nas universidades federais: a notícia ausente. Ou: E se os professores decidissem puxar um fumo para chamar a atenção da imprensa?

Se os professores das universidades federais querem que seus movimentos reivindicatórios sejam notícia, devem migrar para as universidades estaduais de São Paulo — USP, Unicamp e Unesp. Ao menos enquanto o PT estiver no poder. Não sei se entenderam a ironia da coisa… Há 46 universidades federais e dois institutos técnicos em greve. A maioria […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 08h41 - Publicado em 5 jun 2012, 17h07

Se os professores das universidades federais querem que seus movimentos reivindicatórios sejam notícia, devem migrar para as universidades estaduais de São Paulo — USP, Unicamp e Unesp. Ao menos enquanto o PT estiver no poder. Não sei se entenderam a ironia da coisa…

Há 46 universidades federais e dois institutos técnicos em greve. A maioria está parada há 49 dias. Os profissionais reivindicam a apresentação de um plano de carreira. Em algumas unidades, reclamam da falta de condições adequadas de trabalho.

Na USP, por exemplo, tudo é notícia. Há dias, um grupelho de maconheiros se reuniu para queimar mato na universidade. Havia uma multidão de… 20 pessoas (!!!), num universo de mais de 80 mil alunos. A turma ganhou alto de página nos jornais. Alguns cronistas resolveram fazer digressões sobre o caráter, digamos, “progressista” daquela manifestação.

A greve nas federais e as péssimas condições de trabalho em muitos campi são praticamente ignoradas pela quase totalidade da imprensa nacional. É como se não existissem. Há cursos funcionando em barracões. Há esgoto a céu aberto. Faltam laboratórios. E, no entanto, um grande silêncio.

Quando uma informação ou outra chegam aos jornais, não se toca no nome daquele que comandou a área durante seis anos: Fernando Haddad. É o autor do modelo que está aí, que faz dele, segundo Lula no programa do Ratinho, “o maior ministro da Educação que este país já teve”. Talvez os professores das federais devam queimar um fuminho no campus. Maconha é sempre uma pauta muito influente…

Só para arrematar:  no ano passado, boa parte das federais ficou em greve por quatro meses. Ninguém deu a menor pelota. Se a greve não serve para desgastar tucanos, então não é notícia.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês