Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Escárnio

“Waldomiro, mensalão, caixa dois, dinheiro na cueca, sanguessuga, corrupção nos Correios. Ninguém agüenta mais ouvir tanta notícia de corrupção. E o pior é que nós últimos dois anos foi assim, uma notícia atrás da outra. Vários ministros do atual presidente foram denunciados e tiveram que pedir demissão”. Esse foi o trecho que Carlos Alberto Menezes […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 23h16 - Publicado em 1 set 2006, 20h19
Waldomiro, mensalão, caixa dois, dinheiro na cueca, sanguessuga, corrupção nos Correios. Ninguém agüenta mais ouvir tanta notícia de corrupção. E o pior é que nós últimos dois anos foi assim, uma notícia atrás da outra. Vários ministros do atual presidente foram denunciados e tiveram que pedir demissão”. Esse foi o trecho que Carlos Alberto Menezes Direito (vejam como nome não é destino!), ministro do Tribunal Superior Eleitoral, decidiu vetar na propaganda do tucano Geraldo Alckmin. É um escárnio. Quer dizer que nada disso aconteceu, meu senhor? A oposição está proibida de levar à televisão a denúncia do procurador-geral da República, que apontou a existência de 40 quadrilheiros no país? O PT achou a referência ofensiva? Pelo visto, Direito também. Ofensivos não seriam os fatos? Não houve dólar na cueca? Não houve mensalão? Não há sanguessugas? Eis aí a prova provada do que, de fato, incomoda essa gente. Até quando Alckmin procurou rivalizar com Lula no triunfalismo, o PT assistia a tudo, tranqüilo, da poltrona. Ok, Gonzáles. Faça o seguinte. Elimine o texto. Mostre só as manchetes dos jornais. Ou se vai também censurar a imprensa, senhor Direito?
Publicidade