Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Eluana Englaro está morta

Na Folha On Line, das agências internacionais. Volto no post seguinte:A italiana Eluana Englaro, 38, morreu nesta segunda-feira, às 20h10 locais (17h10 de Brasília), após 17 anos em estado vegetativo e um longa briga na Justiça para que permitissem sua morte, informaram fontes locais.“Sim, ela nos deixou”, disse Beppino Englaro, pai de Eluana, citado pela […]

Por Reinaldo Azevedo
Atualizado em 31 jul 2020, 18h11 - Publicado em 9 fev 2009, 18h59
Na Folha On Line, das agências internacionais. Volto no post seguinte:
A italiana Eluana Englaro, 38, morreu nesta segunda-feira, às 20h10 locais (17h10 de Brasília), após 17 anos em estado vegetativo e um longa briga na Justiça para que permitissem sua morte, informaram fontes locais.
“Sim, ela nos deixou”, disse Beppino Englaro, pai de Eluana, citado pela Ansa. “Mas não quero dizer nada. Só quero ficar sozinho.”
Ela esteve no centro de uma longa batalha judicial que se tornou política nos últimos dias. O premiê Silvio Berlusconi tentou proibir a suspensão da alimentação e da água da italiana, enquanto o presidente Giorgio Napolitano considerava a medida do premiê inconstitucional.
Após 17 anos em coma, italiana Eluana Englaro morreu nesta segunda-feira, três dias depois de ter a sua alimentação suspensa
Eluana morreu enquanto o Senado italiano discutia a aprovação de uma lei que proibisse a suspensão da sua alimentação, que já havia começado na última sexta-feira (6). Nesse dia, Berlusconi criou um decreto-lei para evitar a suspensão, mas Napolitano recusou-se a assinar o documento. O premiê então encaminhou a mesma proposta como projeto de lei ao Senado. Berlusconi esperava aprová-la em tempo recorde para evitar a morte de Eluana.
O arcebispo Albert Malcolm Ranjith, secretário da Congregação para o Culto Divino, havia ameaçado nesta segunda-feira de excomunhão quem interviesse na morte de Eluana.

Batalha
Eluana sofreu um acidente de carro em 1992 que a deixou em estado vegetativo. Há quase uma década, os familiares decidiram pleitear na Justiça uma autorização para deixar a mulher morrer sob a alegação de que essa seria a vontade dela.
Na Itália, pacientes têm o direito de recusar tratamento, mas não existe uma lei que lhes permita dar orientações sobre qual tratamento gostariam de receber no caso de um dia ficarem inconscientes. Foi graças a essa brecha que, em 9 de julho de 2008, a Corte de Recursos de Milão aceitou o pedido pela morte de Eluana.
Três meses depois, a Corte Constitucional confirmou aquela sentença, esgotando a possibilidade de recursos.

Repercussão
Ao saber da morte de Eluana, os senadores fizeram um minuto de silêncio. O presidente do Senado, Renato Schifani, expressou solidariedade ao pai de Eluana, e disse que “este é um momento de reflexão no qual todos, a começar pelos políticos, devem refletir sobre o direito da vida e da morte”.
O vice-presidente do grupo conservador no Senado, Caetano Quagriello, tomou o microfone e afirmou que “Eluana não morreu, mas foi assassinada”.
A Câmara dos Deputados também fez um minuto de silêncio.
No Vaticano, o ministro da Saúde, Lozano Barragán pediu “que o Senhor a acolha em seu seio e perdoe a quem a levou deste mundo”. O ministro da Saúde da Itália, Maurizo Sacconi, após expressar sua solidariedade com o pai de Eluana, instou o Senado a aprovar o projeto de lei “para que o sacrifício de Eluana não seja inútil”.
Berlusconi lamentou a morte de Eluana e lamentou que a ação do governo não tenha sido suficiente para salvar sua vida.

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.