Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Efeitos da marolinha – Governo reduz previsão do PIB para 2009

Por Fernanda Odilla, na Folha:A crise econômica mundial fez o governo federal rever as próprias previsões para o cenário econômico em 2009. O ministro Paulo Bernardo (Planejamento) afirmou ontem que agora o governo trabalha com inflação maior que a meta, um crescimento menor e menos R$ 15,2 bilhões na receita. Essa redução equivale a uma […]

Por Reinaldo Azevedo
Atualizado em 31 jul 2020, 18h39 - Publicado em 5 nov 2008, 04h53
Por Fernanda Odilla, na Folha:
A crise econômica mundial fez o governo federal rever as próprias previsões para o cenário econômico em 2009. O ministro Paulo Bernardo (Planejamento) afirmou ontem que agora o governo trabalha com inflação maior que a meta, um crescimento menor e menos R$ 15,2 bilhões na receita. Essa redução equivale a uma vez e meia as despesas previstas com o programa Bolsa Família, estimadas em R$ 10,6 bilhões. Na prática, esse novo cenário deverá levar a um corte de R$ 8 bilhões nos gastos públicos da União no próximo ano, mas não deverá afetar as obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), preservadas por determinação do presidente Lula. Mesmo projetando inflação de 5%, acima da meta inicial de 4,5%, e expansão do PIB em 3,7% (a projeção inicial para o crescimento econômico era de 4,5%), Bernardo calcula ser preciso cortar R$ 15,2 bilhões em custeio e investimentos, que inclui parte de receitas repassadas pelo governo federal a Estados e municípios. “Quando eu falo que vou perder R$ 15 bilhões de receita não quer dizer que a União vá perder [sozinha]. A União vai perder perto de R$ 9 bilhões, e os Estados e os municípios vão perder R$ 6 bilhões, R$ 6,5 bilhões”, afirmou ontem o ministro, logo depois de um encontro com o relator-geral do Orçamento, senador Delcídio Amaral (PT-MS). Quase dois meses após o aprofundamento da crise internacional, esta é a primeira vez em que o governo traduz em números o impacto das turbulências externas para a economia brasileira.
Assinante lê mais aqui

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.