Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Dupla derrota do governo antecipa o desastre para Dilma

Conforme se anteviu aqui, o Tribunal de Contas da União rejeitou por unanimidade a suspeição do ministro Augusto Nardes, aprovando o parecer do corregedor, Raimundo Carreiro. Escrevi neste blog que a acusação de que Nardes havia antecipado voto era absurda porque o dito-cujo já era conhecido desde quando o relatório prévio foi encaminhado ao governo […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 00h21 - Publicado em 7 out 2015, 20h57

Conforme se anteviu aqui, o Tribunal de Contas da União rejeitou por unanimidade a suspeição do ministro Augusto Nardes, aprovando o parecer do corregedor, Raimundo Carreiro.

Escrevi neste blog que a acusação de que Nardes havia antecipado voto era absurda porque o dito-cujo já era conhecido desde quando o relatório prévio foi encaminhado ao governo para que desse explicações. Ora, tratava-se, então, de uma rejeição. Não havia a menor dúvida a respeito.

E foi o que disse Raimundo Carreiro: “A presente manifestação é improcedente. As matérias se traduzem em declarações do ministro Nardes em reproduzir o relatório do próprio ministro. Nada há nas declarações do ministro Nardes que traga alguma novidade ou configure juízo de valor sobre as contas da Presidência da República”.

Mais cedo, o ministro Luiz Fux, do STF, já havia negado pedido de liminar para suspender a sessão, encaminhado por Luís Inácio Adams, advogado-geral da União.

É a crônica de derrotas anunciadas. Era certo como a luz do dia que a corregedoria do TCU negaria a suspeição de Nardes. Também parecia remotíssima a possibilidade de o STF se meter no tribunal. Até porque, vamos convir, o TCU se chama “tribunal” por uma espécie de licença. Ali, de fato, não se julga nada. Tome-se o caso das contas: o órgão vai encaminhar ao Congresso uma avaliação, e este é soberano para rejeitá-la.

Continua após a publicidade

Não é possível que o governo não antevisse as derrotas. Então pra que a confusão? É o fantasma do impeachment que dita todas as decisões. O objetivo é colar na votação a pecha de ilegítima, pondo todo o tribunal sob suspeição.

Não por acaso, na véspera da sessão, veio à luz mais uma denúncia contra Nardes. É o governo sob o comando do Pixuleco: a ordem é partir para o confronto. Até agora, deu tudo errado.

Rejeição
Nardes acaba de ler o seu voto e, conforme se esperava, recomendou mesmo a rejeição das contas. Na sua argumentação prévia, Luís Inácio Adams não tinha nenhum argumento novo a não ser afirmar que o governo fez o que outros já fizeram.

E tentou politizar a julgamento, afirmando que a avalição das contas não poderia se transformar num movimento de cassação da presidente.

Ora, ora… Ocorre que o julgamento do TCU não cassa ninguém; não tem esse poder nem tem esse propósito.

Continua após a publicidade

Publicidade