Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Dulci insiste na tolice de comparar caso Cacciola a Battisti

Por Renata Giraldi, na Folha On Line. Comento no post seguinte:O ministro Luiz Dulci (Secretaria Geral) comparou nesta sexta-feira o caso do ex-ativista italiano Cesare Battisti com o do ex-banqueiro Salvatore Cacciola –preso em Mônaco, no final do ano passado– cuja extradição foi negada pelas autoridades italianas. Para o ministro, é natural o surgimento de […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 18h17 - Publicado em 23 jan 2009, 15h12
Por Renata Giraldi, na Folha On Line. Comento no post seguinte:
O ministro Luiz Dulci (Secretaria Geral) comparou nesta sexta-feira o caso do ex-ativista italiano Cesare Battisti com o do ex-banqueiro Salvatore Cacciola –preso em Mônaco, no final do ano passado– cuja extradição foi negada pelas autoridades italianas. Para o ministro, é natural o surgimento de opiniões e críticas em situações que ele chamou de “complexas e difíceis”.
“Essas são coisas naturais. Eu me lembro quando o Salvatore Cacciola estava na Itália e o governo brasileiro pediu a extradição e as autoridades italianas não concederam, movimentos sociais protestaram”, disse Dulci.
Em seguida, o ministro afirmou: “Essas decisões são complexas e difíceis têm que ser tomadas, de uma forma ou de outra, têm de ser tomadas. Há opiniões variadas, é natural. Acredito que o governo brasileiro encare com naturalidade como manifestações de opinião, faz parte”.
Na ocasião em que o Brasil pediu a extradição de Cacciola, a Itália alegou a ausência de acordo de reciprocidade em processos de extradição. Como o Brasil não extradita brasileiros procurados pela Justiça de outros países, a Itália se recusou a extraditar Cacciola, que é cidadão italiano.

Carta
Nesta sexta-feira o Itamaraty encaminhou à embaixada da Itália no Brasil a carta de Lula em resposta ao presidente italiano, Giorgio Napolitano. Na correspondência, elaborada por especialistas do Ministério da Justiça, Lula justifica as razões pelas quais foi concedido o refúgio político a Battisti.
No último final de semana, a carta de Napolitano foi entregue a Lula. Mas antes o governo italiano divulgou o conteúdo do documento que defendia a extradição do ex-ativista e pedia a revisão da concessão de refúgio político.
O caso de Battisti depende de decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), que aguarda parecer do Ministério Público Federal sobre o pedido de liberdade. O ex-ativista está preso em uma penitenciária em Brasília.

Publicidade