Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Dólar salta 2,67% e tem maior fechamento em mais de 3 anos

Da Reuters e Agência Estado. Volto no post seguinte:O dólar subiu pela quinta sessão consecutiva e fechou a sexta-feira no maior patamar em mais de três anos, acompanhando a deterioração do principal índice acionário do País. A moeda norte-americana avançou 2,67%, a R$ 2,464, maior fechamento desde 10 de junho de 2005. Na semana, a […]

Por Reinaldo Azevedo
Atualizado em 31 jul 2020, 18h33 - Publicado em 21 nov 2008, 17h33
Da Reuters e Agência Estado. Volto no post seguinte:
O dólar subiu pela quinta sessão consecutiva e fechou a sexta-feira no maior patamar em mais de três anos, acompanhando a deterioração do principal índice acionário do País. A moeda norte-americana avançou 2,67%, a R$ 2,464, maior fechamento desde 10 de junho de 2005. Na semana, a divisa acumulou valorização de 8,4%.
No mercado de ações, a Bolsa de Valores de São Paulo despencava 5,49% às 16h35, aos 31.572 pontos, contaminada pela queda de mais de 10% das ações ordinárias da Petrobras e de 9% dos papéis preferenciais da estatal. Uma boa parte desse tombo reflete também o ajuste do mercado doméstico a mais um daqueles dias de pânico em Nova York, arrastando para baixo os preços dos ADRs brasileiros. Na quinta-feira, Petrobras ON desmoronou 16,35% em Nova York.
A desvalorização constante do preço do petróleo, que volta a ser negociado hoje abaixo de US$ 50 o barril, é mais um fator de pressão para a Bolsa. Com isso, os investidores fizeram pouco caso do anúncio da Petrobras de dois novos poços de óleo leve no litoral capixaba, com reservas estimadas entre 1,5 bilhão e 2 bilhões de barris, na área denominada Parque das Baleias. O óleo é de ótima qualidade, com 30 graus API, segundo fato relevante.
Essas descobertas de Petrobras têm sido vistas pelo seu lado negativo: o do custo elevado da extração do óleo. Devido às condições ruins do mercado de crédito e à queda persistente do petróleo fica difícil para a Petrobras levantar recursos para iniciar os investimentos na exploração da camada pré-sal.

Nova York
A deterioração do mercado acionário aqui no início da tarde coincidiu com um momento de fraqueza dos índices norte-americanos. O Dow Jones, que na quinta desabou 5,56%, aos 7.552 pontos, o nível mais baixo registrado desde 2003, chegou a pisar por um breve instante o terreno negativo, mas conseguiu retomar o fôlego e, por volta das 16h30, subia 0,36%. O S&P 500, que na véspera caiu 6,71%, atingindo o menor patamar em uma década, registrava valorização de 0,33%, enquanto o Nasdaq subia 0,03%.
A recuperação técnica em Wall Street é escorada por especulações de que o Citigroup poderá vender unidades ou todo o grupo, embora as ações do banco tenham revertido o sinal de alta no começo da tarde e registrassem queda de 15%. O conselho de diretores do Citigroup deve realizar um encontro formal hoje para discutir as opções. Ontem, as ações do Citi caíram mais 26%, o pior desempenho porcentual em um único dia de sua história, com investidores temendo o efeito da crise econômica no setor financeiro.
Também contribui para o sinal positivo em Wall Street o balanço da Dell Computer, divulgado ontem após o pregão, melhor do que o esperado. Mas trata-se de uma alta sem consistência, uma vez que o temor de uma desaceleração global severa e longa persiste. Na Europa, as bolsas voltaram a naufragar, arrastando perdas de mais de 2% no início da trade.

Bancos
Além de Petrobras, chamam atenção o desempenho ruim do setor bancário, com exceção de Nossa Caixa ON, que disparavam 23,04% às 16h30, cotadas a R$ 63,12, liderando o ranking positivo do Ibovespa. Na quinta-feira, o Banco do Brasil fechou a compra da Nossa Caixa pagando pelo controle da instituição R$ 5,386 bilhões em 18 parcelas de R$ 299,5 milhões. Considerando-se o valor atribuído ao papel pelo BB, o custo total da aquisição saiu por R$ 7,56 bilhões.
Como o banco paulista vai dar tag along de 100% para suas ações, é natural que o preços se ajustem ao preço que será pago pelo BB, R$ 70,63 pela ação ON da Nossa Caixa, o que equivale a um prêmio de 37,7% em relação ao fechamento de quarta-feira, de R$ 51,30.
Já as ordinárias do BB eram negociados em baixa de 12,38%, aos R$ 11,67, influenciadas pelo preço pago pela Nossa Caixa, considerado alto pelo mercado, e o fato de a negociação ter sido feita na forma de aquisição, não de troca de controle.
“A operação é excelente para o BB, mas durante um ano e meio sairão R$ 300 milhões por mês do seu caixa”, destacou o analista do setor bancário da corretora Planner, Ricardo Martins. “Passados os ajustes, os papéis do BB ficam interessantes pelo porte que a instituição adquire, além da expectativa de aquisição de outros bancos”, afirma Martins.
De acordo com o presidente do Banco do Brasil, Antônio Francisco Lima Neto, a instituição vai tentar recuperar a liderança no mercado brasileiro, perdida após a fusão entre Itaú e Unibanco. Os ativos totais dos dois bancos somam R$ 512,4 bilhões. Entre os bancos privados, Bradesco amargava queda de 10,30%; Itaú PN perdia 6,91% e Unibanco Units cedia 7,13%. No topo das maiores baixas estava Sabesp On, derretendo 19,59%.

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.