Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Cultura: Os tolos escolhem os preconceitos; os inteligentes, o que dá certo

Leia o excelente artigo de Sérgio Sá Leitão na Folha desta terça

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 30 jul 2020, 22h39 - Publicado em 24 Maio 2016, 22h12

Os tolos escolhem seus preconceitos. Os inteligentes, o que funciona. Sérgio Sá Leitão, hoje diretor-presidente da produtora AfroReggae Audiovisual, escreve um excelente artigo na Folha desta terça sobre a questão cultural no Brasil e a momentosa polêmica: secretaria ou ministério?” Ele já foi chefe de gabinete do Ministério da Cultura, no governo Lula, e secretário municipal de Cultura do Rio de Janeiro, na gestão Eduardo Paes.

Sá Leitão presidiu a RioFilme durante seis anos e é unanimemente reconhecido como o principal responsável pelo empreendimento. Se alguém tivesse me perguntado, era meu candidato a ministro da Cultura — mesmo tendo servido, lá atrás, ao governo do PT e, depois, à gestão municipal do PMDB. Nos dois lugares, não serviu a ideologias ou partidos: serviu à eficiência.

Falam-me que Calero pode fazer um bom trabalho, e torço por isso. Não acompanhei o seu desempenho à frente da secretaria do Rio. Quem o fez diz ser ele bastante competente.

Não tenho ideia se Sá Leitão toparia ou não. O fato é que ele segue sendo o nome mais competente para tocar o setor de Audiovisual da Cultura. Tem os olhos voltados para a valorização do produto artístico, sim, mas sabe que o mercado existe. Mais: tem clareza de que essas demandas não são contraditórias. E é também avesso ao aparelhismo político. Abaixo, seu artigo na Folha de hoje, intitulado “Menos discurso, mais ação”.
*
Há bons argumentos favoráveis e bons argumentos contrários à existência de um ministério exclusivo para a cultura, à fusão entre o Ministério da Cultura e o da Educação, à fusão entre o Ministério da Cultura, o do Esporte e o do Turismo e a outros modelos de arranjos institucionais.

Na França, referência internacional em política cultural, há o Ministério da Cultura e da Comunicação. No Reino Unido, onde se valoriza o impacto econômico e social das indústrias criativas, há o Departamento de Cultura, Mídia e Esporte, com status de ministério.

Na verdade, poucos países apresentam atualmente um ministério exclusivo para a cultura. O que não significa, necessariamente, desprezo ao setor ou ausência de reconhecimento da importância da cultura em suas múltiplas dimensões. A cultura, como se sabe, é muito maior do que o Ministério da Cultura.

Ter um ministério exclusivo também não significa, necessariamente, que o poder público valorize a cultura, compreenda de fato seu papel estratégico e realize uma política à altura. Os cinco anos e alguns meses de Dilma Rousseff na Presidência demonstraram um divórcio entre retórica e prática em diversas áreas, incluindo a cultura.

Continua após a publicidade

A despeito do discurso bem-intencionado, sobretudo nas campanhas eleitorais, tivemos um período ruim para a política cultural, de muita discussão e pouca ação, em que o orçamento do MinC foi progressivamente reduzido (em termos proporcionais ao orçamento total) e diversos programas foram descontinuados, à exceção do audiovisual.

Como sinal de austeridade, diante da recessão que vigora no Brasil e do gigantesco deficit fiscal herdado, o novo governo anunciou a redução do número de ministérios.

Formalizou a fusão entre o Ministério da Cultura e o da Educação, provocando a ira de parte relevante do setor cultural. No último sábado (21), o presidente interino Michel Temer decidiu recriar a pasta da Cultura.

Foi uma medida necessária para diminuir a temperatura da crise que se instalou. No entanto, assim como a fusão anteriormente anunciada, não representa um fato necessariamente positivo ou negativo.

A questão não é institucional; o que mais importa para a sociedade é um conjunto de definições concretas que encerre o divórcio entre retórica e prática no que diz respeito à política pública de cultura.

Trata-se de apontar claramente, por meio de ações, qual é o papel da cultura para a gestão Temer.

Continua após a publicidade

A intenção, afirmou o presidente interino, é impulsionar a área. A indicação de Marcelo Calero para o cargo de ministro da Cultura indica a vontade de transformar o desejo em realidade. É um gestor experiente, que soube manter e aperfeiçoar a bem-sucedida política implementada em minha gestão à frente do Secretaria Municipal de Cultura do Rio de

Janeiro, entre 2012 e 2015, no governo Eduardo Paes.

É preciso formular uma política objetiva, baseada na ideia de que a cultura pertence ao campo da sociedade e acontece no plano local. Ao poder público cabe estimular, promover e proteger, e não produzir.

Deve-se levar em conta a dimensão simbólica, econômica e cidadã. E ter orçamento compatível, capacidade operacional, centralidade entre as políticas governamentais e parceria com os municípios.

A cultura pode ser um antídoto contra a recessão, por sua capacidade de gerar renda, emprego, inclusão e felicidade. Portanto luz, câmera ação!

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.