Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Caos em Wall Street implode plataformas de Obama e McCain

Por Paulo Sotero, no Estadão:Antes mesmo de o caos instalar-se em Wall Street e jogar os EUA na mais grave crise econômica desde a Grande Depressão, alguns veteranos políticos americanos diziam, em tom de blague, que não entendiam por que alguém desejaria ser presidente do país. A complexidade da tarefa de governar os EUA do […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 5 jun 2024, 23h15 - Publicado em 21 set 2008, 07h13
Por Paulo Sotero, no Estadão:
Antes mesmo de o caos instalar-se em Wall Street e jogar os EUA na mais grave crise econômica desde a Grande Depressão, alguns veteranos políticos americanos diziam, em tom de blague, que não entendiam por que alguém desejaria ser presidente do país. A complexidade da tarefa de governar os EUA do início da semana passada – um país país cada dia mais endividado, desprestigiado no mundo, dividido e paralisado internamente – aumentou geometricamente depois que o pânico tomou conta do mercado de capitais e forçou Washington a desencadear a maior intervenção do Estado na economia desde os anos 30.
A exemplo de George W. Bush, os senadores Barack Obama e John McCain, que disputarão o direito de sucedê-lo em menos de seis semanas, não previram o cataclisma que se aproximava. Naturalmente, ambos reagiram procurando tirar o melhor proveito político imediato da crise. Trata-se, no entanto, de uma crise que eles próprios e seus assessores econômicos ainda tentam compreender e – isso eles sabem perfeitamente – limitará dramaticamente a capacidade de ação de quem receber do povo americano em 4 de novembro a temerária incumbência de governar o país e administrar a massa falida.
Com as autoridades federais debruçadas neste fim de semana na elaboração dos detalhes de um projeto de lei de emergência para nacionalizar centenas de bilhões de dólares de ativos podres do sistema financeiro e regulamentar o setor, numa decisão que marca o início de uma mudança histórica do papel do Estado no capitalismo americano, Obama e McCain não deram nenhuma indicação de que suas plataformas eleitorais tornaram-se subitamente obsoletas e é improvável que o façam nas semanas de campanha que restam, até porque talvez ainda não se tenham dado conta disso. “Nenhum dos dois fez a conexão entre o vendaval em Wall Street e a mudança ocorrida no contrato social americano durante a última geração que expôs a classe média mais diretamente aos efeitos dessas tormentas”, observou Ronald Brownstein, no National Journal, referindo-se à forte transferência da responsabilidade pelo manejo do risco financeiro – do governo e das empresas para os indivíduos e as famílias – que ocorreu com a desregulamentação da economia nos últimos 25 anos.
O democrata, que em princípio deve ser mais beneficiado nas urnas pela crise do que seu rival republicano, assumiu uma posição cautelosa. A seu favor, ele pode honestamente argumentar que sempre defendeu o fortalecimento das instituições encarregadas de supervisionar o mercado e zelar para que o risco financeiro seja compartilhado. Reunido na sexta-feira, na Flórida, com assessores econômicos, Obama esperou pelo plano de intervenção anunciado na sexta-feira e afirmou que o apoiará no Congresso. McCain, um campeão da desregulamentação e do governo limitado, adotou um tom claramente mais populista. Em mais uma tentativa de surrupiar de seu rival o manto de candidato mudancista, disse na sexta-feira, no Arizona, que o Federal Reserve precisa parar de salvar instituições financeiras e retomar sua missão de “administrar a base monetária e a inflação”.
Assinante lê mais aqui

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.