Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Câmara-SP faz seminário sobre ETs. Pelo Socialismo Intergaláctico

Muita gente que ocupa assentos naquela Casa parece mesmo vinda de outro planeta; se você for empirista raso, concluirá que são humanos

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 27 mar 2017, 17h35 - Publicado em 27 mar 2017, 16h52

Até que enfim!

Vamos dar graças às Outras Esferas — não “aos Céus” porque não somos desses que ignoram evidências…

“Aleluia!”. Ops! “Aleluia?” Que não humano teria soprado tal coisa a nossos ouvidos ancestrais?

Eu sempre soube que chegaria o dia em que a Câmara de Vereadores de São Paulo faria algo de útil. Em que ao menos uma ideia original brotaria naquela terra salgada… E aconteceu.

A Casa abriga, por iniciativa do vereador Toninho Paiva (PR) — mas, que se saiba, sem nem uma ironia dos outros 54 —, um, atenção para o nome!, “Seminário Científico Sobre Extraterrestres do Nosso Passado”. Gosto de palavras. Palavras devem ser degustadas. O seminário restringe a coisa ao “nosso passado”. Uma das hipóteses, consta, é que Moisés, Cristo e Maomé já eram, a seu tempo, como posso dizer?, “contatos” de seres que a tudo viam de fora da Terra.

Agora as coisas ficam mais claras. A cada vez que Moisés achou que Deus estava lhe dando uma instrução, não era Deus, não! Isso explica os efeitos especiais dos Dez Mandamentos cravados na pedra. Eu sabia que a performance, como direi, “fotolítica” (radicais gregos: foto = fogo ou luz; lito = pedra) trazia um avanço tecnológico que não poderia ter brotado naquele solo ressequido…

Com Jesus, foi a mesma coisa. Aí os ETs já eram mais discretos. Falavam diretamente à consciência. E está explicado o fenômeno da concepção assexuada de Maria. Não era milagre de Deus, mas obra da tecnologia. Durante parte da idade Média, acreditava-se que os urubus fossem inseminados pelo vento. Houve até correntes heréticas que tentaram explicar assim o Milagre da Concepção. Foram duramente combatidos porque não ficava bem associar a mãe de Cristo a um urubu.

Com Maomé, as coisas se complicaram um pouco. Não é que o chip do ET não fosse bom. Era… Mas o chipado era um pouco rebelde. Consta, por exemplo, que a palavra “Jihad” queria dizer mesmo só um “esforço especial”, uma “dedicação”, uma “obstinação branda”. Mas o Profeta gostava de ação.

E foi assim que chegamos aos dias atuais.

Continua após a publicidade

Bem, eu não me oponho a seminários sobre ETs na Câmara de Vereadores. A rigor, vamos convir, a quase totalidade dos que estão lá não pertence mesmo a este planeta, certo? E não descarto que possa haver outros abduzidos.

Mas sou um sujeito progressista e pluralista e reivindico agora um seminário sobre ETs, mas com sotaque de esquerda.

Novo seminário
Espero que os esquerdistas da Câmara (sobraram alguns por lá?) organizem agora um colóquio sobre o “Posadismo”, uma corrente revolucionária iniciada por J. Posadas (1912-1981) — pseudônimo do argentino Homero Rómulo Cristalli Frasnelli —, que preconizou o socialismo intergaláctico. Não vou achar agora, mas prometo procurar. Tinha aqui na minha biblioteca um livro sobre os fundamentos do posadismo.

Sabem como é… O homem foi jogador de futebol e depois acabou sapateiro e líder sindical da categoria. Aí um daqueles que falaram com Moisés, Cristo e Maomé resolveu chamar, só não sei se com a voz grave de Deus ou metalizada dos ETs: “Homero, Homero…”. E teve início, então, a seção posadista da IV Internacional comunista. Uma verdadeira Odisseia dos outros mundos.

O ET que falava com Posadas era muito doido… Como dizia uma vizinha da minha mãe, devia consumir “tóchico” — lê-se… “tóchico”). O homem estava convicto de que a hecatombe nuclear, que devastaria a humanidade, era inevitável, mas que nem isso destruiria os valores do socialismo.

Segundo Posadas, seríamos socorridos pelos… ETs, aqueles que abriram o Mar Vermelho para Moisés, que curaram Lázaro e que definiram para “O Profeta” o Sol como “Siraj” (“o que ilumina a si mesmo”) e “Uahaj” (“línguas de fogo”) — e o Astro-Rei não é exatamente isso, como concluíram os cientistas?

Finalmente, um pouco de verdade na Câmara dos Vereadores de São Paulo!

Nota: há seres por lá que, com efeito, parecem de outro planeta. Mas, se você condescender em ser um empirista raso, acabará concluindo que são humanos…

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês