Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

As coisas não se deram como Sérgio Guerra tenta fazer crer

É curiosa a entrevista de Sérgio Guerra (abaixo), em que ele tenta transformar numa coisa naturalíssima que uma reunião para definir líder de bancada se transforme num colégio eleitoral para definir a presidência do partido. Por que é curiosa? Em primeiro lugar, porque ele fala à imprensa, a mesma que acompanhou toda a negociação, registrando […]

Por Reinaldo Azevedo
Atualizado em 31 jul 2020, 13h01 - Publicado em 28 jan 2011, 21h22

É curiosa a entrevista de Sérgio Guerra (abaixo), em que ele tenta transformar numa coisa naturalíssima que uma reunião para definir líder de bancada se transforme num colégio eleitoral para definir a presidência do partido. Por que é curiosa?

Em primeiro lugar, porque ele fala à imprensa, a mesma que acompanhou toda a negociação, registrando alguns de seus detalhes e evidenciando que  as coisas de deram de outro modo. Tratou-se de uma armação contra Serra, o que foi admitido por alguns de seus promotores. Leiam abaixo um post em que comento uma reportagem do jornal mineiro “O Tempo”. Se o que Guerra diz na entrevista for mesmo verdade, então a imprensa mentiu. E ele sabe que não mentiu.

Há uma passagem notável:
O senhor consultou os governadores sobre a lista de apoios para mantê-lo no comando do PSDB?
Não consultei ninguém. Informei ao doutor Geraldo que havia este movimento, e ele ponderou a questão da oportunidade. Com outros governadores e outras lideranças, falei depois.

Certo! E falou só com “doutor Geraldo” por quê? Por deferência a São Paulo? Sendo assim, o que isso poderia querer dizer? Que tudo estava certo com Minas? Segundo as lideranças ouvidas pelo jornal O Tempo, é isso mesmo. Noto à margem, aliás, que Sérgio Guerra confirma o que assegurou Alckmin: o governador não deu endosso a coisa nenhuma; ponderou sobre a inoportunidade. Mentiram à imprensa: passou-se a falsa informação de que a conspirata contava com o seu apoio. Consultados antes ou avisados depois, Guerra sabe que Teotônio Vilela (AL) e Beto Richa (PR) também não aprovaram o procedimento.

As coisas falam por si. Se tudo fosse tão natural como Sérgio Guerra faz crer, não haveria confusão nenhuma, certo? Ela só está instalada porque natural não foi e porque os promotores do “golpe da lista” não esconderam de ninguém a intenção.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.