Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Álvaro Dias: “Não sou bode expiatório nem James Bond”

Por Dimitri do Valle, na Folha: O senador Álvaro Dias (PSDB-PR) disse hoje que o governo federal não vai achar na oposição um bode expiatório para o caso do dossiê sobre gastos da administração do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.Afirmando que não é “James Bond” para burlar a vigilância e ter acesso a arquivos sigilosos do […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 19h40 - Publicado em 7 abr 2008, 23h01

Por Dimitri do Valle, na Folha:

O senador Álvaro Dias (PSDB-PR) disse hoje que o governo federal não vai achar na oposição um bode expiatório para o caso do dossiê sobre gastos da administração do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.
Afirmando que não é “James Bond” para burlar a vigilância e ter acesso a arquivos sigilosos do Palácio do Planalto, Álvaro Dias disse, em Curitiba, que o governo tenta desviar o foco do escândalo para encontrar culpados no bloco de oposição.
“Acho que o governo procura um [bode expiatório], mas dificilmente encontrará na oposição. O dossiê existe, ele foi elaborado lá no Palácio do Planalto e só alguém que convive no palácio teria condições de vazá-lo para fora. Não há James Bond aqui”, disse Dias.
Sobre a fonte que mostrou o dossiê ao senador, informação que o colocou como um dos suspeitos de terem divulgado os papéis, Dias voltou a invocar o direito de não revelá-la.
O senador recorreu ao caso Watergate, que nos anos 70 culminou com a renúncia do então presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon, após uma série de reportagens do jornal “Washington Post” sobre espionagem de adversários políticos, baseadas em fonte anônima batizada de “Garganta Profunda”.
Para Dias, está confirmado que o dossiê existe. Ele afirmou que, em fevereiro, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse em encontro empresarial em São Paulo que o governo “não iria apanhar quieto pois tinha bala na agulha” para exibir na CPI dos Cartões Corporativos contra o governo FHC.
“Logo em seguida o jornal ‘O Estado de S. Paulo’ divulgou em manchete que o governo estava preparando um dossiê sobre contas do governo passado. E ao mesmo tempo lá no Congresso Nacional a liderança do governo aparecia com muita segurança para propor a instalação da CPI. São coincidências que confirmam a existência do dossiê no Palácio do Planalto”, afirmou o senador tucano.
Dias disse que não sente ter tido a imagem abalada, dentro ou fora do PSDB, depois de ter confirmado acesso ao dossiê após o assunto ter sido divulgado na revista “Veja”.
“Estou cumprindo o meu dever de denunciar o que é ilegal, o que é ilícito, o que é corrupção, o que é arbitrariedade. Pelo fato de eu denunciar, revelar, não posso ser condenado nunca. Não há ninguém dentro do partido que possa me recriminar por ter tido a atitude correta”, disse o senador.

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.