Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

A “Operação Delta” e o “não tenho nada com isso”

Se vocês procurarem nos arquivos dos jornais, sites e portais, verão que a construtora Delta demorou para virar um foco especial de atenção. No dia 8 de abril, escrevi um post a respeito, de que reproduzo um trecho (em azul). Volto depois.Delta, a construtora apontada como parte do esquema de Cachoeira, é uma velha amiga […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 09h00 - Publicado em 27 abr 2012, 07h51

Se vocês procurarem nos arquivos dos jornais, sites e portais, verão que a construtora Delta demorou para virar um foco especial de atenção. No dia 8 de abril, escrevi um post a respeito, de que reproduzo um trecho (em azul). Volto depois.Delta, a construtora apontada como parte do esquema de Cachoeira, é uma velha amiga de Zé Dirceu e de Sérgio Cabral. E isso é apenas… fato!

 

A memória seletiva de certos setores da imprensa faz lembrar, às vezes, a seletividade dos que estão vazando informações sobre a Operação Monte Carlo. A construtora Delta, a empresa que mais toca obras do PAC, aparece, segundo relatório da Polícia Federal, atuando para o esquema de Carlinhos Cachoeira.
Delta, Delta, Delta… Esse nome não nos é estranho, certo?
Como lembrei aqui no dia
2 de dezembro do ano passado, o dono da empresa, Fernando Cavendish, é um homem que tem amigos poderosos. Dois dos mais destacados são Sérgio Cabral, governador do Rio, e José Dirceu, o “chefe de quadrilha” (segundo a PGR). No Rio, a Delta toca obras de R$ 600 milhões. Pelo menos R$ 164 milhões desse total foram contratados sem licitação. Naquele trágico fim de semana de junho, em que um acidente de helicóptero matou sete pessoas no litoral baiano, incluindo a nora de Cabral, o governador integrava o grupo que estava na Bahia para comemorar o aniversário de Cavendish. Cabral viajou àquele estado no avião particular de outro potentado do setor privado: Eike Batista (se quiser mais sobre o mundo cabralino, clique aqui). Adiante.
(…)

Voltei
Depois o papel da empresa foi se agigantando, até se descobrir seus impressionantes tentáculos em vários estados. Mais: finalmente a imprensa se lembrou dos vínculos pólíticos do proprietário da empresa. Ontem, a ministra Miriam Belchior (Planejamento) afirmou que, se a construtora quebrar, o governo não tem nada com isso. Huuummm… Mais ou menos, mais ou menos.

Ninguém celebra contratos de mais de R$ 4 bilhões com o governo e se torna o número 1 do PAC sem que se estabeleça ao menos uma relação de confiança. A pressa com que vemos a Delta ser agora desmontada, creio, há de chamar a atenção dos membros da CPI e da própria Polícia Federal. Afinal, como se nota, é disto mesmo que se trata: desmonte. Uma pessoa desconfiada diria que se trata de uma tentativa de apagar pistas. Também seu comandante maior, seu símbolo, decidiu se afastar da direção (ao menos formalmente) sem esboçar nem mesmo resistência. Nunca antes na história destepaiz

O governo não tem nada com isso? Foi o governo que Miriam Belchior representa que fechou mais 31 contratos com a Delta, no valor de quase R$ 800 milhões, mesmo depois de a Controladoria Geral da República, em parceria com a Polícia Federal, ter constatado uma porção de maracutaias no Ceará. E isso é fato.

Mais: uma empresa que assume tal grau de responsabilidade em obras federais é, sim, um problema para o governo caso quebre. Afinal, não basta passar o contrato a outras: em quais condições, com que segurança, com quais valores?

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)