Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

A grande palhaçada – Governo Dilma brinca com a segurança pública de SP e tenta impor modelo de UPP ao Estado nem que seja à força; deve ser herança do tempo em que era uma estrategista, à sua maneira, militar…

Agora entendi a mistificação e a palhaçada. Reportagem publicada no Estadão — a cada dia, um porta-voz mais exacerbado dos que pretendem destruir a política de segurança púbica em São Paulo — traz uma provocação importante. Leiam trecho. Volto depois Governo federal propõe ocupar Paraisópolis Por Alana Rizzo: O governo federal vai propor uma ocupação […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 07h30 - Publicado em 1 nov 2012, 14h37

Agora entendi a mistificação e a palhaçada. Reportagem publicada no Estadão — a cada dia, um porta-voz mais exacerbado dos que pretendem destruir a política de segurança púbica em São Paulo — traz uma provocação importante. Leiam trecho. Volto depois

Governo federal propõe ocupar Paraisópolis

Por Alana Rizzo:
O governo federal vai propor uma ocupação da Favela de Paraisópolis, na zona sul de São Paulo, nos moldes do que foi feito no Complexo do Alemão, no Rio, em novembro de 2010. Vinculada ao Ministério da Justiça, a secretária Nacional de Segurança Pública, Regina Miki, defende a medida como forma de conter a onda de violência e garantir um trabalho integrado de inteligência no combate ao tráfico e às organizações criminosas.

“É uma crise. A gente estanca a crise e sai de lá, porque entende a autonomia e a competência do Estado”, afirmou. “A ocupação de Paraisópolis poderia ser uma alternativa porque a cidade não para. Possivelmente, para colocar 600 policiais lá, você vai tirar de algum lugar.”

Regina pretende negociar um plano integrado de segurança pública com o governo paulista. “A gente sabe que São Paulo não precisa de capacitação policial, não precisa de equipamentos. O orçamento da segurança de São Paulo é alto. A questão é aliar a inteligência, levar as forças federais e buscar as Forças Armadas em uma ocupação de Paraisópolis.” O modelo de intervenção, segundo a secretária, seria aquele adotado pelas unidades de pacificação nas comunidades do Rio, feito em parceria com Forças Armadas, Força Nacional de Segurança Pública, PM e tropas de elite. “A gente fez isso no Rio. Você faz a dosimetria das forças, analisando cada caso. Por exemplo, aqui precisa só do Bope. Aqui mais do que o Bope, então traz as Forças Armadas, como ocorreu no Alemão”, explicou. “Temos feito isso, analisando o que é preciso para cada caso. Sabemos que São Paulo tem expertise em segurança e eu mais do que ninguém conheço os policiais de São Paulo. Sei da competência deles, mas também sei que estão na ponta com medo por eles e pela família deles. A gente quer ajudar.” A proposta do governo federal inclui ainda a criação de um grupo de trabalho para estudar os assassinatos de policiais. “Matar um PM é uma afronta à soberania do Estado.

Voltei
É uma piada estúpida. Uma solução para enganar trouxa. Estão querendo ganhar o Jornal Nacional de um jeito ou de outro. Ou a manchete será “UPP chega a São Paulo” ou “Governo de SP rejeita UPP”. UPP em Paraisópolis?

Continua após a publicidade

Como, nestes tempos, o jornalismo não existe para explicar ao leitor ou espectador a diferença entre alhos e bugalhos, mas para impor teses, os fatos que se danem.

Desde quando? Paraisópolis é agora o Morro do Alemão? Não existe, por acaso, posto policial lá dentro? Será que os 70 mil moradores da favela — que passou por um processo de urbanização que deixa qualquer PAC da Dilma no chinelo, precisa desse modelo? Ora, o policiamento já está lá.

Vocês já viram alguma matéria na TV sobre a reurbanização de Paraisópolis? Paraisópolis não vira cartão- postal.

“Ah, existe a reurbanização, mas o tráfico não acabou!” Por quê? Não há mais tráfico nas “comunidades” — como se diz em neocabralês — onde há UPPs? Isso é uma tentativa de impor a ferro, fogo e alarmismo televisivo a política de segurança do Rio a São Paulo.

Digam-me aqui: a suposta “ocupação” de Paraisópolis tem de seguir todos os rigores das operações espetaculosas do Rio?
– também será preciso avisar com antecedência para dar tempo de a bandidagem fugir?
– já aviso aos diretores de imagem: a região não permite fazer aquelas filmagens que rendem prêmios, hein?, com aquele fila de bandido se espalhando;
– ainda que permitisse, o que virou poesia no Rio certamente seria encarado como sintoma de descontrole em São Paulo, não é mesmo?

Continua após a publicidade

O governador Geraldo Alckmin precisa tomar logo uma providência. Em vez dos atuais 11 ou 12 homicídios por 100 mil habitantes, precisa escolher uma política de segurança que eleve esse índice para os níveis cabralinos — algo ali em torno de 25… Quando São Paulo estiver igual ao Rio, talvez consiga uma reportagem positiva.

Não sei que mal este estado fez a essa gente toda. Mas deve ter feito algum…

Governo doloso
O governo Dilma Rousseff está sendo doloso com a política de segurança de São Paulo, com o apoio, reitero, de amplos setores da imprensa. Nesse particular, Dilma está sendo bem mais irresponsável do que Lula. Ele não chegou a esse grau de ousadia. Tinham um pouco mais de receio de mexer em área tão explosiva.

Ela — não sei se é memória de suas origens; afinal, pertenceu a duas organizações que ousaram planejar uma guerra de classes, não é ? — parece mais inclinada a engenharias temerárias. Herança do tempo em que era da área de inteligência de grupos, digamos, militares à sua maneira…

O Estadão, como não poderia deixar ser ser, foi ouvir uma associação de moradores do bairro do Murumbi, vizinha a Paraisópolis. A pobre da moça que falou se disse a favor da ocupação. Se for feita nos moldes do que se faz no Rio, minha boa cidadã, a bandidagem sai correndo. Para se esconder, inclusive, no Morumbi.

Continua após a publicidade

O do “diz-que-diz-que”, quando a serviço de uma tese, arranca o que bem entende da boca dos incautos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.