Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

A espantosa violência na Bahia. Alguém está surpreso? Não os leitores deste blog!

Como muitos de vocês devem ter visto, houve 25 assassinatos em Salvador neste fim de semana. Alguém está surpreso? O índice de homicídios da cidade é de 61 por 100 mil. Um escândalo! Em São Paulo, a maior cidade do Brasil e uma das maiores do mundo, está abaixo de 10, o que caracteriza, segundo […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 12h54 - Publicado em 7 fev 2011, 22h16

Como muitos de vocês devem ter visto, houve 25 assassinatos em Salvador neste fim de semana. Alguém está surpreso? O índice de homicídios da cidade é de 61 por 100 mil. Um escândalo! Em São Paulo, a maior cidade do Brasil e uma das maiores do mundo, está abaixo de 10, o que caracteriza, segundo a Organização Mundial da Saúde, violência não-epidêmica. Alguém está surpreso com o que acontece na Bahia?  Os leitores deste blog não estão.

Em abril do ano passado, foram divulgados os dados sobre o Mapa da Violência, com índices de homicídio de todas as capitais entre 1997 e 2007. Escrevi largamente a respeito. Com os dados do mapa, eu mesmo me encarreguei de fazer um cruzamento, que deu um trabalhão filho da mãe: a evolução dos índices entre 2002 (último ano do governo FHC) e 2007. Revejam a tabela. Volto em seguida.

tabela-homicidios4

A Bahia tinha, em 2002, 13 homicídios por 100 mil habitantes; em 2007, já eram 25,7 — um salto de 97%! Houve aumento significativo de homicídios em sete dos nove estados do Nordeste. Escrevi então:

O trabalho não faz o cotejamento dos números de 2002 com os de 2007 — os últimos disponíveis. Esse cruzamento é meu, extraído do quadro geral que traz dados desde 1997. Já há, pois, uma série histórica de dez anos. Sim, fiz tal comparação porque quis saber o que aconteceu com o número de homicídios em cinco anos de governo Lula, aqueles da grande revolução como “nunca antes na história destepaiz”. Escolhi tal cruzamento de dados também porque o presidente da República já disse em mais de uma oportunidade que prefere fazer escolas a fazer presídios, como se fossem coisas excludentes ou permutáveis. Não só isso: já afirmou que o que faltou ao bandido foi oportunidade, por culpa, claro!, de todos os governos que o antecederam.

Continua após a publicidade

Vejam lá a última linha da tabela. Entre 2002 e 2007, houve uma queda de 11,57% no número de homicídios por cem mil habitantes. QUEM PODE SE ORGULHAR DISSO? RESPONDO: SÃO PAULO!!!

Distribuição de renda e violência
Vejam a tragédia da violência no Nordeste. Dos nove estados, houve uma pequena redução de homicídios em Pernambuco (embora os números do Estado sejam escandalosos) e no Sergipe. Nos demais, o número de homicídios teve um aumento brutal. Na Bahia, Maranhão, Rio Grande do Norte e Alagoas, o crescimento é escandaloso. Das 27 unidades da federação, houve uma redução – no mais das vezes, pequena – em apenas 12.

Então a economia não cresceu no período, especialmente no Nordeste? Não é esta a região que concentra hoje o maior número de beneficiários do Bolsa Família? Há dados que chegam a ser desmoralizantes para os trouxas que pretendem vincular maior crescimento da economia e maior assistencialismo à redução da violência.

Peguemos o caso da Bahia entre 1997 e 2002, aquele tempo em que, segundo Lula, não havia Brasil. Em 1997, o estado teve 15,5 mortos por 100 mil; em 2002, 13. Redução de 16%. Durante a revolução lulista, o número saltou para 25,7 por 100 mil: aumento de 97,7%!!! Será que o crescimento e o assistencialismo fazem crescer o número de homicídios? Ora, não sejamos estúpidos!

Os números demonstram de forma cabal que não há uma relação de causa e efeito entre crescimento e distribuição de renda e violência – e o homicídio é certamente a sua pior manifestação não é mesmo?

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)