Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

A convocação para o grande protesto de 13 de março já está nas ruas. Ou você vai, ou ela fica!

Flamengo e Fluminense jogaram neste domingo em Brasília, no estádio Mané Garrincha. O rubro-negro venceu o tricolor por 2 a 1. Mas houve um quarto gol às portas do estádio e nas arquibancadas: os manifestantes pró-impeachment estavam lá, como já estão em toda parte, em cartazes espalhados pelas cidades, convocando a manifestação do dia 13 de março

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 30 jul 2020, 23h29 - Publicado em 22 fev 2016, 06h56
A mudança é verde-amarela, mas também pode ser uma beleza rubro-negra. Seguem outras imagens do Mané Garrincha

A mudança é verde-amarela, mas também pode ser uma beleza rubro-negra. Seguem outras imagens do Mané Garrincha

d3a7183efc98dff6d34d1e23c29aea54

3c9715e525e250f00d1a03a753dbd94c

Vejam estas imagens. Volto em seguida.

A próxima manifestação em favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff está marcada para o dia 13 de março. Há três atitudes a tomar:
a: ficar em casa ou fazer qualquer outra coisa, reconhecendo as virtudes superiores desse governo;
b: detestar o governo, considerá-lo criminoso, mas ficar em casa ainda assim, ou fazer qualquer outra coisa, porque, “afinal, ela pode não cair…”;
c: detestar o governo, considerá-lo criminoso e deixa isso muito claro nas ruas.

Bem, só uma escolha aí pode conduzir à mudança — se você está entre os que querem mudar. A repulsa passiva não conduz a lugar nenhum. Em larga medida, está nas mãos dos brasileiros deixar claro que já não confiam em Dilma; que consideram os crimes cometidos pelo seu governo inaceitáveis; que não enxergam na mandatária de turno condições mínimas para unir o país e tirá-lo do atoleiro.

E é preciso fazê-lo nos moldes das manifestações anteriores: com firmeza, com clareza, com alegria, com humor. E, sobretudo, como é regra nas manifestações em favor do impeachment, comportar-se segundo as imposições da civilidade.

A campanha em favor do protesto do dia 13 de março já está nas ruas. Em todo canto, vê-se a inscrição “Esse impeachment é meu”, deixando claro que está, de fato, nas mãos dos brasileiros decidir até quanto Dilma pode ficar no poder. E ela tem de sair não porque não gostamos do seu governo e suas escolhas, mas porque a presidente cometeu crime de responsabilidade.

Lutas políticas, meus caros, são mesmo longas. Se não bastou irmos às ruas três vezes, então iremos uma quarta, uma quinta, uma sexta… Até que Dilma nos dê a chance de, ao menos, recuperar a esperança. E isso só vai acontecer se ela deixar aquela cadeira. Esse é o primeiro passo para sairmos desse atoleiro melancólico.

858caa0f514ddaaa1bb8609436851a64

b6fa4f7b89b169722f7c1063d9ed9391

Continua após a publicidade

É claro, já se disse aqui, que a simples saída de Dilma não representaria a redenção dos brasileiros. Os pobres não acordariam remediados no dia seguinte nem a classe média iria respirar imediatamente aliviada. Mas se terá tirado da frente a figura que se tornou um emblema dos desastres em série cometidos pelo petismo. É o primeiro passo.

Há dois consensos nacionais hoje em dia: a) o Aedes aegypti, que está em todo canto; b) a necessidade imperiosa de Dilma deixar a cadeira de presidente da República. E então voltamos a uma de três posturas: aplaudir o governo; rejeitá-lo, mas no silêncio do seu quarto; rejeitá-lo à luz do dia.

As imagens
Flamengo e Fluminense jogaram neste domingo em Brasília, no estádio Mané Garrincha. O rubro-negro venceu o tricolor por 2 a 1. Mas houve um quarto gol às portas do estádio e nas arquibancadas: os manifestantes pró-impeachment estavam lá, como já estão em toda parte, em cartazes espalhados pelas cidades, convocando a manifestação do dia 13 de março.

Não pensem que a mudança bate à porta. Não tenham a ilusão de que o establishment político ou o Poder Judiciário farão por nós o que só nós mesmos podemos fazer.

Se as ruas, respeitando os valores da Constituição, não enviarem o seu recado, o sistema — que abriga a maior roubalheira da nossa história e, quem sabe?, a maior da história em qualquer tempo — tende a se proteger e a se preservar.

impeachment é meu

Quando o mote da manifestação anuncia “Esse impeachment é meu”, está a dizer: “Esse impeachment é seu”.

Ou você o faz, ou ninguém o fará por você.

No dia 13 de março, há protesto em todo o país. Amanhã, dia 23 de fevereiro, durante o horário político do PT, as panelas e as buzinas vão cantar. E esse canto geral servirá de convocação para mais um grande protesto.

Já conhecemos todo o cinismo dessa gente, todas as suas explicações frouxas, todas as suas mentiras, todas as suas patéticas tentativas de nos enganar com versões fantasiosas, que partem do princípio de que somos um bando de tolos.

Se não agora, quando?

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês