Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Weintraub reduz história do MEC a culto exclusivo à sua gestão; veja fotos

Exposição no ministério que excluiu painéis sobre governos anteriores, agora traz apenas atos do atual ministro

Por Evandro Éboli Atualizado em 6 fev 2020, 15h24 - Publicado em 6 fev 2020, 06h33

Depois de sumir com a exposição com 40 painéis que contavam a história do Ministério da Educação e a cronologia de gestões de décadas anteriores, Abraham Weintraub transformou o “túnel do tempo” do prédio num culto único e exclusivo à sua gestão.

Não há referência alguma sobre o passado. Zero. Como se a pasta fosse criada na gestão Bolsonaro, a partir de 2019.

Em dezembro, Radar revelou a retirada dessas imagens, textos e fotos. Agora, os 40 painéis só tratam dos “feitos” de Weintraub.

São seis painéis sobre a Escola Cívico-Militar – “a educação do Brasil ganhou reforço” -, e apresentado como a solução para resolver problemas como taxas de abandono escolar, 77%, e de de reprovação dos alunos é 37,4%.

“Gestão nas áreas educacional didático-pedagógica e administrativa com a participação do corpo docente da escola e apoio dos militares”, diz um dos painéis.

Outros tratam da Estudantil, a carteirinha para se contrapor a UNE.
“Gratuita e na palma da mão. A carteirinha estudantil do governo federal possibilita acesso à meia-entrada em eventos culturais e esportivos”.

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade


///VEJA

 

Continua após a publicidade

O Diploma Digital também aparece na exposição de Weintraub, “à prova de falsificações”.
“Diploma superior na palma da mão. Fácil, rápido e prático. Acesso ao diploma em qualquer lugar e a qualquer hora pelo celular ou pelo computador”.

 

Continua após a publicidade

///VEJA

 

Continua após a publicidade

Um dos últimos programas do ministro está ali. É “Conta prá mim”, lançado em dezembro, para estimular que familiares leiam para as crianças.
“A leitura, a conversa, a escrita, tudo fica melhor quando feito em família”, diz um dos painéis.

///VEJA

 

Continua após a publicidade

O painel foi instalado no segundo mandato do governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), com o então ministro Paulo Renato. É chamado de “túnel do tempo” por também ser o espaço que liga o prédio principal do ministério a um de seus anexos..

Antes do sumiço das peças, constavam ali a criação do Fundef, por Paulo Renato, passando pelo Prouni, do então ministro Fernando Haddad, do governo de Lula; e chegando até reforma do ensino médio, na gestão do ministro Mendonça Filho, no governo de Michel Temer.

Na anterior, havia uma foto do educador Paulo Freire, alvo de ataques do atual governo.

Em dezembro, o MEC informou que a retirada dos painéis seria para fazer uma “atualização do conteúdo” do que estava exposto ali. E informou que aqueles painéis, agora retirados, estão no site do MEC.

O Ministério da Educação informou que toda a história de criação do MEC, desde 1930, permanece preservada e disponível na íntegra para acesso da população. Só que em formato digital. O painel conta com código QR Code para a linha de tempo, no site da pasta.

“Portanto, qualquer pessoa pode ter acesso, que antes era restrito para apenas quem passava pelo túnel”, informou o ministério.

 

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)