Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Vestuário tem ano ruim e só perde para indústria automobilística

Os dados referentes a 2015 como um todo ainda não foram compilados. Mas para a indústria de vestuário certamente foi um ano para se esquecer. Números da Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostram que, de janeiro a novembro, o faturamento do setor caiu nada menos de 27,2% frente ao mesmo período de 2014 – isso, já desconto […]

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 23h41 - Publicado em 21 jan 2016, 13h02
Ano fraco para fabricantes de roupas

Ano fraco para fabricantes de roupas

Os dados referentes a 2015 como um todo ainda não foram compilados. Mas para a indústria de vestuário certamente foi um ano para se esquecer.

Números da Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostram que, de janeiro a novembro, o faturamento do setor caiu nada menos de 27,2% frente ao mesmo período de 2014 – isso, já desconto a inflação de dois dígitos no período.

O desempenho só não foi pior que o da indústria automobilística e de “produtos diversos”, cujas receitas minguaram 29% no intervalo.

Diante do cenário, os fabricantes de roupas estão entre os que mais demitiram. O indicador de emprego no segmento caiu 10,6%, contra recuo de 11,7% em veículos e empatando com produtos diversos, que inclui indústrias de brinquedos, instrumentos musicais, joias e bijuterias, entre outros.

(Atualizada às 15h, para corrigir a informação: os dados referem-se apenas à indústria do vestuário, que fabrica as roupas, e não englobam a têxtil, que envolve a produção dos tecidos).

Continua após a publicidade

Publicidade