Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Todos os alvos bolsonaristas do inquérito dos atos antidemocráticos 

Devassa ordenada pelo STF mira conjunto de 38 CPFs, CNPJs, além de contas nas redes sociais ligadas a investigados pela PGR

Por Evandro Éboli Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 22 jun 2020, 16h11 - Publicado em 22 jun 2020, 16h05

O inquérito aberto no STF para investigar atos antidemocráticos atinge 38 pessoas físicas e jurídicas ligadas ao bolsonarismo. Estão nessa lista parlamentares (10 deputados e 1 senador), empresários, advogados, blogueiros e empresas na área digital e de marketing.

A Procuradoria-Geral da República aponta o envolvimento de um a um e pediu e obteve do ministro Alexandre de Moraes a quebra do sigilo bancário de todos eles. O Radar teve acesso a todo inquérito.

O período dessa devassa envolve o período entre 19 de abril, Dia do Exército e quando ocorreu um desses atos, até 3 de maio, data da manifestação imediatamente seguinte.

“Comunique imediatamente às instituições financeiras o teor da decisão judicial de forma que os dados bancários do investigado, bem como os dados cadastrais das contas relacionadas, sejam enviados à Procuradoria Geral da República, no prazo de 30 dias”, pediu a Procuradoria.

Continua após a publicidade

Entre os parlamentares estão os deputados Daniel Silveira (PSL-RJ), alvo de busca da Polícia Federal na semana passada.

Na relação dos empresários, está o advogado Luís Felipe Belmonte, um dos responsáveis pela criação do Aliança Pelo Brasil.

O blogueiro Allan dos Santos, que cuida do canal Terça Livre, também está nessa relação.

Continua após a publicidade

Pelo menos três movimentos de apoio a Bolsonaro (Avança Brasil, Conservador e NasRuas) estão sendo investigados.

A empresa Inclutech Tecnologia da Informação também é investigada, segundo o Ministério Público, por ter sido contratada e atuado nas redes sociais para quatro deputados federais bolsonaristas. Esses parlamentares teriam usado recursos da cota parlamentar, dinheiro público, para estimular esses atos.

Todos eles negaram que a contratação da empresa foi para este fim.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.