Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

STF aprova por 9 votos contra 2 o fundão eleitoral de R$ 4,9 bilhões

Ministros que votaram contra parecer do relator André Mendonça justificaram que não compete ao Supremo deliberar sobre tema, e sim ao Congresso

Por Laísa Dall'Agnol Atualizado em 3 mar 2022, 18h24 - Publicado em 3 mar 2022, 16h55

O STF aprovou, nesta quinta-feira, a manutenção do fundão eleitoral de 4,9 bilhões de reais.

O placar ficou em 9 votos a 2 para manter o valor aprovado pelo Congresso no Orçamento — os únicos ministros que votaram para barrar o aumento dos recursos foram o relator, André Mendonça, que já havia apresentado o parecer na última semana, e Ricardo Lewandowski.

Alexandre de Moraes, Kassio Nunes, Rosa Weber, Luiz Fux, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Carmen Lúcia votaram a favor do valor destinado ao financiamento de campanhas eleitorais — majorado de 2,1 bilhões, em 2020, para 4,9 bilhões neste ano. De acordo com os magistrados, não cabe ao Supremo deliberar sobre o tema, mas sim ao Congresso

O julgamento analisou ação apresentada pelo partido Novo que questionou os dispositivos da Lei de Diretrizes Orçamentárias aprovada pelo Congresso. O advogado da legenda, Paulo Roque Khouri, criticou a decisão da Corte.

“Abre um precedente que julgo perigosíssimo. Isso praticamente está dando carta branca ao Congresso para alterar sem critérios as leis orçamentárias (…) Se aumentaram o fundão pra quase 5 bilhões de reais quando a proposta do Executivo era de 2 bilhões de reais, amanhã poderão fazer alteração semelhante e aumentar pra 10, 15 bilhões de reais, que também estará correto. Qual será o limite?”, diz Khouri.

O Novo também lamentou o parecer final do STF e afirmou que o aumento tira recursos de áreas essenciais para garantir mais recursos “controlados por caciques partidários”.

“Infelizmente, vivemos em um país onde é necessário relembrar todos os dias que o cidadão paga caro por cada privilégio e benesse concedido a partidos, políticos e grupos de interesse (…) O Novo continua convicto da imoralidade e desproporcionalidade do fundo eleitoral”, diz nota divulgada pelo partido.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)