Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

STF aprova por 9 votos contra 2 o fundão eleitoral de R$ 4,9 bilhões

Ministros que votaram contra parecer do relator André Mendonça justificaram que não compete ao Supremo deliberar sobre tema, e sim ao Congresso

Por Laísa Dall'Agnol Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 3 mar 2022, 18h24 - Publicado em 3 mar 2022, 16h55

O STF aprovou, nesta quinta-feira, a manutenção do fundão eleitoral de 4,9 bilhões de reais.

O placar ficou em 9 votos a 2 para manter o valor aprovado pelo Congresso no Orçamento — os únicos ministros que votaram para barrar o aumento dos recursos foram o relator, André Mendonça, que já havia apresentado o parecer na última semana, e Ricardo Lewandowski.

Alexandre de Moraes, Kassio Nunes, Rosa Weber, Luiz Fux, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Carmen Lúcia votaram a favor do valor destinado ao financiamento de campanhas eleitorais — majorado de 2,1 bilhões, em 2020, para 4,9 bilhões neste ano. De acordo com os magistrados, não cabe ao Supremo deliberar sobre o tema, mas sim ao Congresso

O julgamento analisou ação apresentada pelo partido Novo que questionou os dispositivos da Lei de Diretrizes Orçamentárias aprovada pelo Congresso. O advogado da legenda, Paulo Roque Khouri, criticou a decisão da Corte.

Continua após a publicidade

“Abre um precedente que julgo perigosíssimo. Isso praticamente está dando carta branca ao Congresso para alterar sem critérios as leis orçamentárias (…) Se aumentaram o fundão pra quase 5 bilhões de reais quando a proposta do Executivo era de 2 bilhões de reais, amanhã poderão fazer alteração semelhante e aumentar pra 10, 15 bilhões de reais, que também estará correto. Qual será o limite?”, diz Khouri.

O Novo também lamentou o parecer final do STF e afirmou que o aumento tira recursos de áreas essenciais para garantir mais recursos “controlados por caciques partidários”.

“Infelizmente, vivemos em um país onde é necessário relembrar todos os dias que o cidadão paga caro por cada privilégio e benesse concedido a partidos, políticos e grupos de interesse (…) O Novo continua convicto da imoralidade e desproporcionalidade do fundo eleitoral”, diz nota divulgada pelo partido.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.