Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Questionado sobre repressão a jornalistas em Cuba, Lula critica os EUA

Ex-presidente concedeu entrevista coletiva nesta segunda no Parlamento Europeu, em Bruxelas

Por Lucas Vettorazzo Atualizado em 15 nov 2021, 14h47 - Publicado em 15 nov 2021, 14h43

Na coletiva de imprensa que Lula concedeu nesta segunda-feira no Parlamento Europeu, em Bruxelas, o ex-presidente foi questionado por um repórter da agência de notícias espanhola EFE sobre sua opinião a respeito dos protestos em Cuba e também da recente repressão a jornalistas na ilha caribenha. O regime cubano retirou credenciais de profissionais da EFE às vésperas de uma marcha oposicionista marcada para esta segunda no país socialista. Lula ouviu a pergunta do serviço de tradução simultânea e disse que não entendeu o questionamento, que foi repetido. O ex-presidente não comentou o caso específico dos jornalistas. Ele optou por fazer a sua já conhecida defesa do fim do bloqueio dos Estados Unidos à ilha e fez uma crítica sutil ao regime cubano, que tem reprimido com violência as manifestações. Ele disse que “os cubanos também sabem que quando tiver protesto nós temos que conversar para saber o porquê”.

É um direito das pessoas dizerem o que gostam e o que não gostam. Eu sei que nós ficamos incomodados. Todos os políticos adoram aplausos. Todos os políticos odeiam vaias, discordâncias, mas lamentavelmente é assim que a política é. Quando você está disputando a eleição, você anda de carro aberto só abanando para o povo. Quando você ganha, você entra em um carro blindado, você não consegue mais nem cumprimentar o povo. Aquele cara que está te vaiando é um cara que possivelmente votou em você. É uma pessoa que está descontente com alguma coisa”, disse. 

Lula dedicou parte de seu tempo na resposta para criticar os Estados Unidos e o embargo. Segundo ele, a ilha “tem uma singularidade que não podemos aceitar nunca”. “Não é justo, normal, democrático ou prudente para a questão dos direitos humanos um bloqueio durar 60 anos. Não é normal que os Estados Unidos não aprendam que perderam a revolução para os cubanos e que ele precisa permitir que os cubanos decidam seu próprio destino”, disse. 

Ele lembrou que conversou sobre o assunto em encontro com George Bush quando ambos ocuparam as respectivas presidências de seus países. “Por que os EUA não pensam em abrir democraticamente a sua relação com Cuba? Qual é o problema? É uma eterna Guerra Fria, uma eterna perseguição. Como se estivessem aprisionando um filho rebelde amarrado a uma mesa. Eu fico triste de saber que os americanos não têm a grandeza de compreender que os cubanos têm que ter liberdade de decidir o seu destino. Eu vou morrer reivindicando o fim do embargo”, afirmou.

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)