Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Radar

Por Gustavo Maia (interino) Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

“Precisamos de remédio, médico e combustível”, diz líder da bancada gaúcha

Isolado em Nova Santa Rita, deputado Marcon afirma que Congresso precisa mudar LDO para governo federal liberar emendas parlamentares para o RS

Por Nicholas Shores Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 15h01 - Publicado em 7 Maio 2024, 11h01

Isolado em Nova Santa Rita pelo alagamento de rodovias, o coordenador da bancada do Rio Grande do Sul no Congresso, deputado Marcon (PT), afirmou que os municípios atingidos pela tragédia climática precisam de remédios, médicos e tanques de oxigênio para hospitais e de combustível para resgates, deslocamentos emergenciais e geradores.

“Vai ser pior quando abaixar a água, que a gente vai ver coisas que nem imagina debaixo d’água”, declarou o deputado ao Radar. “(A situação em) Porto Alegre, Canoas, São Leopoldo, Eldorado, Guaíba é uma tragédia. A água já passou por Taquari e de lá vai para Pelotas e Rio Grande”, alertou.

Na segunda-feira, Marcon participou remotamente de uma reunião de deputados estaduais e federais do Rio Grande do Sul com os ministros Renan Filho (Transportes), Nísia Trindade (Saúde), Waldez Góes (Desenvolvimento Regional) e Paulo Pimenta (Comunicação Social). 

“As cidades estão terminadas. O primeiro lugar é salvar vidas. Isso continua ainda por dois ou três dias. Depois, é pensar como vamos reerguer o Rio Grande do Sul. O Vale do Taquari, pela terceira vez”, disse o petista.

Continua após a publicidade

Dentre as medidas mapeadas pela bancada gaúcha no Congresso, Marcon afirmou que é necessário aprovar mudanças na Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2024 para permitir ao governo federal antecipar emendas parlamentares impositivas – para as quais, em tempos normais, não poderia haver priorização de apenas um estado.

O deputado disse que, a pedido da bancada gaúcha, o Ministério da Saúde vai liberar 650 milhões de reais em emendas para o Rio Grande do Sul. O Ministério da Agricultura, acrescentou, também deve adotar medida parecida em socorro aos produtores rurais do estado.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.