Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Políticos pedem fim da novela Bolsonaro-Mandetta e foco no trabalho

Com mais de 1.300 mortos, Brasil precisa parar de perder tempo com intrigas de governo e focar no combate ao avanço do coronavírus, dizem parlamentares

Por Robson Bonin, Evandro Éboli Atualizado em 14 abr 2020, 08h16 - Publicado em 14 abr 2020, 06h05

A audiência cansou. Assim pode ser definido o sentimento de políticos e integrantes do governo diante do novo episódio de atrito entre Jair Bolsonaro e Luiz Henrique Mandetta no fim de semana.

A postura do ministro da Saúde de abandonar o discurso técnico para enviar recados ao presidente em rede nacional de televisão foi lida por líderes do Parlamento como uma provocação gratuita.

Uma coisa é o presidente usar o cargo para desmoralizar o trabalho técnico do governo e a campanha pelo isolamento social contra o coronavírus. Outra coisa é o ministro da Saúde cair nas provocações e afrontar o presidente.

“Em vez de deixar o presidente sozinho em seus absurdos, o ministro acabou referendando as críticas contra ele, de que atua na Saúde como personagem político”, diz um importante integrante do MDB do Senado.

Na lógica dos colegas de Mandetta na política, o ministro perdeu um pouco do brilho ao se mostrar dominado pelo personagem político na TV, falando da vida pessoal e de outros temas que destoam da agenda técnica da crise.

“É hora de falar de coisas objetivas. Bem ou mal, o isolamento social vem sendo feito há semanas. E agora? Qual o próximo passo? Onde estão os aviões com cargas da China? Onde está a infraestrutura de leitos, o planejamento, a estratégia, é isso que o povo que ver”, diz um parlamentar.

Continua após a publicidade

No governo, como o Radar mostrou nesta segunda, o sentimento é o mesmo. Mandetta perdeu pontos ao provocar o presidente e demonstrar suposto interesse em agravar a situação para ser demitido.

Com mais de 1.300 mortes e 23.430 infectados, o país, mais do que embates políticos, precisa de liderança e medidas práticas contra a crise. A audiência angustiada nos lares brasileiros precisa visualizar as medidas concretas tomadas pelo governo na crise. “Não dá para deixar tudo na mão dos governadores, é preciso mostrar liderança, passar confiança”, cobra um parlamentar.

Um dos “bombeiros” que saíram em defesa da permanência do ministro, na semana passada, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, foi outro que ficou contrariado com a entrevista de Mandetta e o tom adotado.

A considerou desnecessária, depois de tanto esforço para mantê-lo no cargo.

O sumiço de Mandetta ontem, que nem apareceu na coletiva técnica sobre a epidemia, fez  seus aliados buscarem justificativas.

“Ele continua (no cargo), com foco no trabalho, mas fora dos holofotes hoje. Preferiu se resguardar de exposição hoje”, disse o deputado Efraim Filho, líder do Democratas – partido de Mandetta – na Câmara.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)