Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Radar

Por Gustavo Maia (interino) Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

PL do aborto ajuda o governo Lula a mudar de assunto e sair das cordas

Ameaçado por uma CPI do arroz no Congresso e em crise com o setor produtivo, Planalto ganhou um novo inimigo a combater nessa discussão ideológica

Por Robson Bonin Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 17 jun 2024, 17h00 - Publicado em 17 jun 2024, 16h01

O governo Lula viveu, na semana passada, um de seus piores momentos, com duras derrotas políticas na discussão da MP do PIS-Cofins e na suspensão do leilão de arroz tocado pela Conab.

Isolado numa crise política que mobilizou todo o setor produtivo nacional, o presidente viu o chefe do Legislativo, Rodrigo Pacheco, devolver parte da medida provisória editada pelo Ministério da Fazenda.

Sem alternativa, Lula precisou até vir a público para defender seu ministro mais importante, o chefe da Fazenda, Fernando Haddad, diante de rumores envolvendo a situação do petista no governo: “Não tem nada com o Haddad, ele é extraordinário ministro”.

A fotografia do Planalto, no início da semana passada, era a de um governo acuado e de um presidente perdido — vide o discurso de Lula sobre criação de uma IA para o Sul Global. O presidente, no entanto, é um político de sorte.

Continua após a publicidade

Ao desenterrar na Câmara o projeto de lei do abordo — que equipara o aborto após 22 semanas ao crime de homicídio, inclusive em casos de estupro —, Arthur Lira e a oposição no Congresso conseguiram mudar os ventos para o governo. Lula ganhou até um novo inimigo a combater, diante do atraso proposto no tal projeto da bancada evangélica.

As ruas, até então adormecidas, voltaram a olhar com cara feia para Brasília — para os adversários do governo. Hoje, ninguém fala de CPI do leilão do arroz ou do fiasco da falta de vontade política de Lula para cortar gastos. O governo ganhou um valioso tempo para se reorganizar e tentar conquistar a credibilidade perdida nas últimas semanas diante de investidores.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.