Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

PF prende filho de Mário Peixoto, acusado de desvios na saúde do Rio

Empresário Vinícius Peixoto foi alvo de mandado de prisão expedido pelo juiz Marcelo Bretas

Por Mariana Muniz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 23 jun 2020, 12h00 - Publicado em 22 jun 2020, 16h13

A Polícia Federal, a pedido do juiz Marcelo Bretas, prendeu preventivamente nesta segunda-feira o empresário Vinícius Peixoto, filho do também empresário Mário Peixoto. A prisão é desdobramento da Operação Favorito, deflagrada pela PF no mês passado.

No início de maio, quando a operação foi deflagrada, Vinícius foi alvo de um mandado de prisão preventiva, sem prazo para acabar. Mas a ordem foi convertida em prisão domiciliar, já que o empresário estava com suspeita de covid-19.

Na decisão que determinou a prisão nesta segunda-feira, Bretas relata que mensagens obtidas pelo MPF dão conta que mesmo estando sob a mira da Justiça, Vinícius teria continuado praticando atos em nome de uma empresa offshore.

“Ou seja, Vinícius teve sua prisão preventiva convertida em domiciliar por conta de possível contração do vírus Covid-19, e quatro dias após a efetivação da domiciliar, tratou de modificar dados em sua offshore”, diz o juiz. E prossegue: “há fortes suspeitas de atividade para encobrir eventuais desvios ou colaboradores, uma vez que realizada imediatamente após a deflagração da operação.”. 

Na decisão, o juiz ainda conta que conversas interceptadas logo antes da deflagração da operação, em maio, mostram como o núcleo de Peixoto agiu para destruir provas. E Vinícius, principal auxiliar do pai, “estaria operando para se afastar das pessoas jurídicas envolvidas nos atos ilícitos relatados, inclusive com sua substituição por supostos laranjas.”.

Continua após a publicidade

A Operação Favorito, etapa da Lava-Jato no Rio que apura desvios em contratos na área da saúde envolvendo organizações sociais, visa, segundo os investigadores, acabar com um esquema em atividade desde 2012. Os danos estimados superam 500 milhões de reais aos cofres públicos do estado e de prefeituras.

De acordo com o MPF, o grupo do empresário Mário Peixoto buscou usar a pandemia do novo coronavírus para expandir seus negócios. Vinícius Peixoto estaria ligado ao esquema criminoso do pai. 

Atualização, às 12h de 23 de junho de 2020: Os advogados Afonso Destri e Alexandre Lopes, responsáveis pela defesa de Vinícius e Mario Peixoto entraram em contato com a coluna. Encaminharam a seguinte nota:

“Recebemos com espanto a decretação da prisão preventiva de Vinícius Peixoto sem nenhum fundamento legal. Prisões arbitrárias como essa costumam ser revogadas de maneira breve pelos tribunais brasileiros. Aguardemos.” 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.