Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

PF ignora pedido da CPI para dar proteção aos irmãos Miranda

Ofício sobre o assunto "urgente" foi enviado anteontem ao diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Maiurino

Por Gustavo Maia 25 jun 2021, 11h31

Enviado na quarta-feira pelo presidente da CPI da Pandemia, Omar Aziz, ao diretor-geral da PF, Paulo Maiurino, o pedido para dar proteção policial ao servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda, ao deputado federal Luis Miranda, seu irmão, e seus familiares, foi ignorado até o momento.

Os irmãos devem depor na tarde desta sexta-feira na comissão do Senado para falar sobre as acusações de irregularidades na aquisição da vacina indiana Covaxin. Eles implicaram o presidente Jair Bolsonaro no caso ao revelar que ele foi alertado, no dia 20 de março, sobre a possível corrupção no processo.

No ofício, Aziz evidencia a urgência da solicitação já no assunto: “Urgente – Proteção policial para depoentes da CPIPANDEMIA e de seus familiares”. E requisita que a disponibilização da proteção seja feita de forma “imediata” aos dois e a “seus parentes mais próximos, quais sejam, esposas e filhos”.

O Radar confirmou junto à Secretaria da CPI que não houve resposta até o fim da manhã desta sexta — pouco mais duas horas antes o horário previsto para o início dos depoimentos. Procurada na quinta e nesta sexta, a assessoria de comunicação da PF se limitou a responder que “não há informação sobre esse assunto”, recusando-se a procurar o gabinete do diretor-geral para obter mais esclarecimentos.

O motivo apontado pelo presidente da comissão para requisitar o apoio da PF foi o relato dos depoentes de que têm recebido “uma série de ameaças à sua integridade física e à integridade física de seus familiares”, por conta das “informações sensíveis” que revelarão na CPI.

O deputado Luis Miranda, inclusive, já pediu à CPI que determine a prisão do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni, e do assessor especial da Casa Civil Elcio Franco, ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde, por terem ameaçado ele e seu irmão em pronunciamento à imprensa na noite de quarta.

Veja a seguir a íntegra da requisição da proteção policial enviada ao chefe da PF:

Oficio nº 1624/2021 – CPIPANDEMIA

Brasília, 23 de junho de 2021

Continua após a publicidade

A Sua Senhoria o Senhor
PAULO GUSTAVO MAIURINO
Diretor-Geral do Departamento de Polícia Federal

Assunto: Urgente – Proteção policial para depoentes da CPIPANDEMIA e de seus familiares

Senhor Diretor-Geral,

Cumprimentando-o cordialmente, dirijo-me a Vossa Senhoria na condição de Presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito do Senado Federal, criada por meio dos Requerimentos nº 1.371/2021 e nº 1.372/2021, e responsável por investigar atos relacionados à pandemia causada pelo coronavírus.

Nesta sexta-feira, esta Comissão Parlamentar de Inquérito tomará o depoimento do Sr. Luis Ricardo Fernandes Miranda, servidor do Ministério da Saúde, e do seu irmão e Deputado Federal Luis Claudio Fernandes Miranda.

Os depoentes relatam que, em razão das informações sensíveis que terão a transmitir a este colegiado por ocasião de seu depoimento, têm recebido uma serie de ameaças à sua integridade física e à integridade física de seus familiares.

Diante desse contexto, na condição de Presidente deste inquérito parlamentar, com vistas a preservar a integridade física dos depoentes e de seus familiares, bem como para assegurar o adequado andamento das investigações ora carreadas, requisito a imediata disponibilização de proteção policial, por este r. Departamento de Polícia Federal, aos depoentes e a seus parentes mais próximos, quais sejam, esposas e filhos.

Certo de que Vossa Senhoria dispensará toda a atenção e pronto atendimento ao presente pleito, coloco-me à disposição para dirimir eventuais dúvidas.

Atenciosamente,

Senador OMAR AZIZ
Presidente da CPI Pandemia

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)