Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Pesquisa indica menos clientes em lojas físicas, mas vendas crescem

Fluxo de clientes em shoppings centers e comércio de rua cai em agosto pelo terceiro mês consecutivo, mostra software de coleta de dados

Por Ramiro Brites Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
29 set 2022, 18h30

O movimento de clientes em lojas físicas caiu 4% em agosto, o terceiro mês consecutivo de queda. Ao analisar apenas o comércio de rua, o fluxo de consumidores aumentou 7%, mas em estabelecimentos dentro de centros comerciais caíram 5%, os próprios shoppings registraram queda de público de 1% na comparação com julho. 

O fluxo anual de clientes, porém, é maior em 2022 do que no ano passado. A presença de consumidores subiu 11% nas lojas físicas e 13% nos shopping centers em relação a agosto de 2021. No acumulado do ano, a alta é de 34% para as duas categorias. As lojas nos centros de compras tiveram um desempenho melhor na comparação com o mesmo mês do ano passado – alta de 11%, enquanto as de rua subiram 7%.

Por outro lado, as vendas aumentaram. A quantidade de boletos gerados em agosto subiu 9% para as lojas de rua e se manteve estável em shopping centers no comparativo com julho deste ano. O faturamento aumentou 12% para os estabelecimentos situados na rua e 3% nos centros de compras. Em relação a agosto de 2021, os cupons subiram 28% para lojas de rua e 19% para as de shopping centers, enquanto o faturamento cresceu 35% e 8%, respectivamente. 

Os dados foram apontados pelo Índice de Performance do Varejo, organizado pela  Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo, em colaboração com a HiPartners Capital & Work, impulsionadora de startups de soluções tecnológicas no segmento. A parceria investiu nas plataformas FX Data Intelligence, F360° e Harmo, para acompanhar as tendências dos clientes do comércio. 

Continua após a publicidade

Para Flávia Pini, sócia da HiPartners Capital & Work, a variação das vendas tende a aumentar com as próximas datas comemorativas, como Dia das Crianças, Black Friday e o Natal. A Copa do Mundo também deve movimentar os clientes. 

“Ainda que os indicadores estejam abaixo aos do período pré-pandêmico e com baixa de visitação em relação aos meses anteriores, observa-se um movimento contrário nas vendas”, projeta Flávia.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.