Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Perto da decisão

O advogado Fernando Tibúrcio, que representa o senador boliviano Roger Pinto Molina no pedido de refúgio ao Brasil, viu como um mau sinal o Conare ter marcado o julgamento do caso para uma semana depois do depoimento de seu cliente ao órgão. Pinto depôs na quinta-feira, e a análise do pedido já está na pauta […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 02h41 - Publicado em 10 nov 2014, 15h16
Na gaveta

Depois de um ano na gaveta, o julgamento

O advogado Fernando Tibúrcio, que representa o senador boliviano Roger Pinto Molina no pedido de refúgio ao Brasil, viu como um mau sinal o Conare ter marcado o julgamento do caso para uma semana depois do depoimento de seu cliente ao órgão.

Pinto depôs na quinta-feira, e a análise do pedido já está na pauta de julgamento da próxima sexta-feira. Tibúrcio estranhou:

– Sempre dissemos que o caso, muito politizado, só andaria após as eleições. Foi o que ocorreu. Esperamos um ano, e agora o governo marca o julgamento oito dias após ele entregar todos os documentos e provas de que era perseguido?

Caso o refúgio seja negado, Tibúrcio considera levar o caso à Comissão Interamericana de Direitos Humanos, em Washington.

Continua após a publicidade

Publicidade