Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Onyx pode ser o primeiro ministro de Bolsonaro demitido pela imprensa

Chefe da Casa Civil de Bolsonaro disse a amigos, há pouco, que estava no escuro sobre notícias de eventual demissão

Por Robson Bonin Atualizado em 12 fev 2020, 15h51 - Publicado em 12 fev 2020, 15h31

Algo estranho acontece no Planalto nesta quarta. Onyx Lorenzoni já foi exonerado pelos jornais. Fontes do palácio confirmaram a notícia aos veículos. Nessa dança, o próprio ministro da Casa Civil disse a amigos mais próximos há pouco que estava no escuro. Se cair, terá sido demitido primeiro pela imprensa, depois por Jair Bolsonaro.

Depois de tomar café da manhã com a bancada ruralista e até postar fotos nas redes para demonstrar alinhamento e prestígio junto ao presidente, Onyx não fazia planos de terminar o dia exonerado.

No Congresso, a notícia também não chegou. Os líderes de Bolsonaro e aliados estão igualmente sem informação. O time de Fábio Wajngarten na Secom segue apenas observando. Ministros geralmente bem informados, calaram.

A demissão de Onyx começou a navegar no noticiário atrelada à queda de Osmar Terra, na Cidadania. Há pouco, Terra postou um vídeo em que fazia tabelinha com Bolsonaro ao falar da política de drogas do governo. Foi um recado indireto de que não cairá.

Isso tudo, claro, descontando o que se passa na cabeça do próprio presidente Bolsonaro. Nos últimos dias, a saída de Onyx vinha sendo tratada como fato consumado no palácio. Só o dia não havia sido ajustado. É possível que o vazamento do convite ao general Braga Netto tenha atropelado os planos do próprio presidente.

“Ainda não sabemos o que vai acontecer. Nem se ele aceitou”, diz um interlocutor do Alto Comando do Exército sobre a possível mudança de Braga Netto para o palácio.

Bolsonaro teve, de fato, uma conversa com Onyx nesta quarta. Poucos sabem, porém, qual será o desfecho da possível dança de cadeiras. A conferir.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)