Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

O grande ‘incentivo’ para a saída de Wassef da defesa de Flávio

Advogado seguia disposto, no sábado, a guerrear no processo, mas mudou de ideia em 24 horas, com a entrada de uma nova personagem em cena

Por Robson Bonin Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 22 jun 2020, 09h22 - Publicado em 22 jun 2020, 07h10

Frederick Wassef deixou a defesa de Flávio Bolsonaro reconhecendo que sua permanência no caso havia se tornado tóxica para o primeiro filho. O anúncio ocorreu no domingo, 24 horas depois de o próprio Wassef ter atrelado seu futuro nas investigações de Fabrício Queiroz — preso na casa do advogado em Atibaia (SP) — ao de Jair Bolsonaro. “Se bater no Fred, atinge o presidente. Eu e o presidente viramos uma pessoa só”, disse Wassef à CNN Brasil no sábado.

Entre a postura determinada de sábado, com que manifestava o desejo de guerrear no processo e permanecer como defensor jurídico do clã presidencial, e o anúncio no domingo, o aparecimento da empresária Cristina Boner, ex-mulher, amiga e sócia de Wassef, no noticiário foi visto por interlocutores do Planalto como o grande motivador da saída. Em abril de 2019, VEJA narrou detalhes da relação de Fred com Bolsonaro e mostrou como a empresária havia vendido um Land Rover a Bolsonaro a um preço camarada, em 2015.

Quem conhece Wassef diz que a lealdade dele a Bolsonaro é enorme, mas a relação com Cristina é outro negócio, de devoção. No fim de semana, uma reportagem do Uol levantou contratos de 41 milhões de reais da empresa de Cristina com o governo Bolsonaro. A saída de Wassef da defesa de Flávio tenta afastar os holofotes de suas relações pessoais.

Wassef deixou a defesa de Flávio no caso das rachadinhas da Alerj, mas nada disse em relação ao próprio Bolsonaro e o filho Carlos. O vereador também conta com os préstimos de Wassef no caso em que é investigado por abrigar funcionários fantasmas na Câmara do Rio.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.