Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Radar

Por Gustavo Maia (interino) Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

No Conselhão, presidente da CNI defende ajuste fiscal e faz apelo a Marina

Ricardo Alban discursou na terceira reunião plenária do órgão com o presidente Lula e também alertou para uma possível bolha do setor produtivo

Por Gustavo Maia Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 27 jun 2024, 11h54

Integrante do Conselhão, o presidente da CNI, Ricardo Alban, discursou na manhã desta quinta-feira na terceira reunião plenária do órgão com o presidente Lula e ratificou ao ministro da Fazenda, Fernando Haddad, a necessidade do equilíbrio fiscal e defendeu que se faça um ajuste “com senso, de forma equilibrada”.

“E transferindo para o mercado aquela ânsia que tanto o mercado gostaria de usar, e que usa, que é a especulação financeira. Então vamos trabalhar de formas concisas, convergentes, para que a gente possa encontrar esse equilíbrio fiscal sem nenhum tipo… e temos caminhos para encontrar, não só o controle das despesas, mas destravar investimentos”, declarou Alban.

Na sequência, ele aproveitou para fazer um apelo à ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva, que estava sentada na mesma mesa que Lula e outros ministros, colocando a Confederação Nacional da Indústria à disposição para colaborar com ferramentas e tecnologia para ajudar no processo de licenciamento ambiental.

“Nós temos hoje só uma empresa com cerca de 5 bilhões de dólares aguardando licenciamento, e no seu pipeline tem cerca de 40 bilhões de dólares. O que esses investimentos podem gerar de riqueza, emprego e renda, e mais ainda, o tão desejado equilíbrio fiscal com a arrecadação dos tributos que viria dessa economia. Não é simples, sustentabilidade, meio ambiente é uma total prioridade, mas eu acho que nós conseguimos conversar para tornar isso viável”, afirmou.

Taxa de juros, financiamento e dívida pública

Ao comentar a atual taxa de juros de 10,5%, mantida pelo Banco Central na semana passada, o chefe da CNI questionou se “fomos muito conservadores nos últimos dois anos” e disse que a ata do Copom mostrou que “claramente temos uma política contracionista”.

Continua após a publicidade

Ele também alertou para a possível criação de uma “bolha” ou “algo mais delicado que possa ser um abismo e a capacidade de oferta”, citando o aumento de cerca de 4% do financiamento aos consumidores no ano passado, e mais 4% em 2024, com a queda do mesmo percentual no financiamento das empresas em 2023, e crescimento de “só 1,5%” neste ano.

“Essa é uma reflexão que temos que fazer, porque estamos a capacidade de oferta, e certamente, num prazo muito curto, vamos ter um problema de pressão inflacionária mesmo, concreto, por uma total incapacidade do setor produtivo”, comentou.

Em alinhamento com o que Lula destacou nos últimos dias, Alban também comentou que a proporção da dívida pública no Brasil em relação ao PIB é muito menor que em outros países e defendeu separar a dívida boa (que permite investimentos, geração de riqueza, emprego e desenvolvimento social) e ruim (que mantém “uma máquina pública já altamente pesada para esse país”).

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.