BLACK FRIDAY: ASSINE a partir de R$ 1 por semana
Imagem Blog

Radar Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Moro, a segunda instância, e a prisão dos que ainda serão condenados

‘Não é só quem foi solto, é quem não vai ser preso’, diz Moro

Por Robson Bonin Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 4 dez 2019, 13h28 - Publicado em 4 dez 2019, 13h24

O ministro da Justiça, Sergio Moro, foi ao ponto principal da questão da decisão do STF de declarar ilegal a prisão em segunda instância no país.

O monumento à impunidade no país tem duas faces. A mais conhecida foi a abertura das portas da cadeia para os corruptos que já estavam condenados. A outra está na alegria dos corruptos que estavam na fila para serem condenados e agora não serão mais presos.

Veja o que disse Moro sobre a segunda instância na Jovem Pan: “O problema não é só quem foi solto, é também quem não vai ser preso. Precisamos ter uma justiça mais efetiva e ao meu ver, isso é uma questão urgente. Se o Congresso tem vontade de fazer, faça então. Se o Congresso quer mudar a regra, como o Supremo [Tribunal Federal] sinalizou que poderia, não vejo motivo para não fazer agora. Se tem maioria, se tem vontade de fazer, faça, então. Mas ressalto que a decisão cabe exclusivamente ao Congresso e nós respeitaremos”.

Um importante advogado, com muitos acordos de delação firmados na Lava-Jato resumiu ao Radar, sob a condição do anonimato, o clima pós-fim da prisão em segunda instância. “Todo mundo agora virou inocente. Todos batem no peito para dizer que vão derrubar os processos no Supremo. Só tem corajoso agora”, diz.

Continua após a publicidade

A decisão do STF também provocou uma mudança mercadológica nos negócios das bancas de advocacia. Agora, os clientes fecham contrato com condição de pagamento até o fechamento do caso “no Supremo”. É uma forma de postergar a dívida, claro. Afinal, a Justiça costuma tardar quando se tem bons advogados para recorrer.

O relato do advogado bate com outro ponto da fala de Moro: “A impunidade é um fator estimulante à prática de crimes. Alguém comete um delito e não é punido, isso gera um sentimento de desprezo da lei. A punição após a ação de um crime é fator de extrema importância para a redução da criminalidade. É melhor ter um criminoso preso do que um criminoso solto. É importante por esse motivo, reduzir a impunidade”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A melhor notícia da Black Friday

Assine VEJA pelo melhor preço do ano!

BLACK
FRIDAY

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana

a partir de R$ 1,00/semana*
(Melhor oferta do ano!)

ou

BLACK
FRIDAY
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

a partir de R$ 29,90/mês
(Melhor oferta do ano!)

ou

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas. Acervos disponíveis a partir de dezembro de 2023.
*Pagamento único anual de R$52, equivalente a R$1 por semana.