Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Moro, a segunda instância, e a prisão dos que ainda serão condenados

‘Não é só quem foi solto, é quem não vai ser preso’, diz Moro

Por Robson Bonin Atualizado em 4 dez 2019, 13h28 - Publicado em 4 dez 2019, 13h24

O ministro da Justiça, Sergio Moro, foi ao ponto principal da questão da decisão do STF de declarar ilegal a prisão em segunda instância no país.

O monumento à impunidade no país tem duas faces. A mais conhecida foi a abertura das portas da cadeia para os corruptos que já estavam condenados. A outra está na alegria dos corruptos que estavam na fila para serem condenados e agora não serão mais presos.

Veja o que disse Moro sobre a segunda instância na Jovem Pan: “O problema não é só quem foi solto, é também quem não vai ser preso. Precisamos ter uma justiça mais efetiva e ao meu ver, isso é uma questão urgente. Se o Congresso tem vontade de fazer, faça então. Se o Congresso quer mudar a regra, como o Supremo [Tribunal Federal] sinalizou que poderia, não vejo motivo para não fazer agora. Se tem maioria, se tem vontade de fazer, faça, então. Mas ressalto que a decisão cabe exclusivamente ao Congresso e nós respeitaremos”.

Um importante advogado, com muitos acordos de delação firmados na Lava-Jato resumiu ao Radar, sob a condição do anonimato, o clima pós-fim da prisão em segunda instância. “Todo mundo agora virou inocente. Todos batem no peito para dizer que vão derrubar os processos no Supremo. Só tem corajoso agora”, diz.

A decisão do STF também provocou uma mudança mercadológica nos negócios das bancas de advocacia. Agora, os clientes fecham contrato com condição de pagamento até o fechamento do caso “no Supremo”. É uma forma de postergar a dívida, claro. Afinal, a Justiça costuma tardar quando se tem bons advogados para recorrer.

O relato do advogado bate com outro ponto da fala de Moro: “A impunidade é um fator estimulante à prática de crimes. Alguém comete um delito e não é punido, isso gera um sentimento de desprezo da lei. A punição após a ação de um crime é fator de extrema importância para a redução da criminalidade. É melhor ter um criminoso preso do que um criminoso solto. É importante por esse motivo, reduzir a impunidade”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês