Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Mudanças de Bolsonaro no ministério são vistas com normalidade no STF

Presidente busca ajusta politicamente seu ministério para segurar sua base no Congresso e encaminhar o período final de mandato

Por Robson Bonin Atualizado em 30 mar 2021, 09h13 - Publicado em 30 mar 2021, 09h01

Ministros do STF viram com natural normalidade o movimento de cadeiras promovido por Jair Bolsonaro nesta segunda-feira.

A troca no comando do Itamaraty, exigida pelo Congresso, e as mexidas na Casa Civil e na Defesa para a chegada de uma ministra política na articulação do Planalto foram vistas como um movimento de correção de rumos.

O presidente, em vez de dobrar a aposta no conflito, optou por afagar o centrão, ao colocar no palácio a deputada Flávia Arruda, um dos nomes do partido de Valdemar Costa Neto. Colocou no lugar de Ernesto Araújo, o chanceler blogueiro, Carlos Alberto Franco França, um embaixador de carreira com amplo reconhecimento nos quadros do Itamaraty.

As outras mudanças, como a saída de Fernando Azevedo e a mudança de André Mendonça para a AGU foram lidas como ajustes necessários para a nova acomodação política. “O presidente está buscando um ajuste político para a sequência do governo. Não vejo nada novo no cenário”, diz um ministro do STF ao Radar.

Mendonça deve, como mostrou o Radar, ir ao STF nos próximos meses e já seria uma baixa na Justiça. Ele abre espaço para que o delegado Anderson Torres toque uma agenda mais voltada para a segurança pública na pasta. “Precisamos aguardar a conclusão dos movimentos para ter uma visão mais apropriada, mas não parece algo diferente da política de qualquer governo”, diz outro magistrado.

Leia também:

  • Bolsonaro escolhe novo chefe do Itamaraty e anuncia outros nomes.
  • Pujol reúne alto comando do Exército para tratar de possível saída.
  • Demissão de Azevedo abre intervenção política de Bolsonaro na área militar.
  • ‘Bolsonaro pediu o cargo’, diz aliado de Fernando Azevedo.
  • Escolha de diplomata de carreira como chanceler traz alívio ao Itamaraty.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)