Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Malafaia diz que Mendonça deu ‘cama de gato’ sobre casamento gay

Pastor afirmou que o indicado de Jair Bolsonaro por ser 'terrivelmente evangélico' sabia que sofreria pressão pelo tema

Por Lucas Vettorazzo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 2 dez 2021, 11h56

O pastor Silas Malafaia foi às redes tentar explicar uma fala de André Mendonça durante sua sabatina na CCJ do Senado que pegou mal no meio evangélico.

Questionado por Fabiano Contarato, primeiro homem gay assumido a ocupar uma cadeira no Senado, sobre sua opinião acerca do casamento civil de pessoas do mesmo sexo, Mendonça disse que iria defender o “direito constitucional” das pessoas.

“O casamento Civil eu tenho minha concepção de fé específica. Agora, como magistrado da Suprema Corte eu tenho que me pautar pela Constituição. Eu defenderei o direito constitucional do casamento civil das pessoas do mesmo sexo”, disse Mendonça que, como se sabe, foi indicado a vaga por ser “terrivelmente evangélico”. Pouco antes, ele disse que não compactuará com nenhum tipo de discriminação.

Malafaia divulgou um vídeo há pouco para lembrar aos evangélicos que o casamento homoafetivo não está oficialmente previsto na Constituição brasileira.  O pastor ignorou, contudo, que desde de 2011, em razão de uma decisão histórica do STF, que existe a previsão legal da união civil entre pessoas do mesmo sexo no país.

Segundo Malafaia, Mendonça fez uma manobra retórica para agradar tanto os defensores do casamento gay quanto os conservadores. Para o pastor, ao dizer que se aterá à Constituição, Mendonça estaria dizendo que reconhece a legitimidade do artigo 226, que diz que família é a base da sociedade e tem especial proteção do Estado.

Continua após a publicidade

No parágrafo terceiro deste artigo, o texto da Constituição diz que, “para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento”

O pastor disse que a fala de Mendonça teria sido uma “cama de gato”. A metáfora faz referência a um movimento do futebol– ilegal, diga-se de passagem– em que um atleta desequilibra o adversário usando seu corpo.

“Sobre essa história de que André Mendonça é a favor da união de pessoas do mesmo sexo no parâmetro da Constituição, ele deu uma cama de gato. Ele sabia que sofreria pressão. Foi uma saída espetacular porque a Constituição só prevê casamento de homem com mulher. Artigo 226, parágrafo terceiro”, disse

Por fim, Malafaia fez uma ameaça a Davi Alcolumbre, presidente da CCJ que atrasou por mais de quatro meses a sabatina do indicado de Bolsonaro. O pastor disse que irá trabalhar entre os evangélicos para que o senador não seja reeleito pelo Amapá.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.