Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Luis Miranda diz à PF que Pazuello associou Lira à demissão na Saúde

Depoimento prestado pelo deputado foi remetido à CPI da Pandemia

Por Robson Bonin Atualizado em 3 ago 2021, 17h14 - Publicado em 3 ago 2021, 17h10

No depoimento que prestou à Polícia Federal, o deputado Luís Miranda afirma que o então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, revelou a ele, numa conversa, ter recebido pressões do presidente da Câmara, Arthur Lira, para que liberasse recursos da pasta a aliados do parlamentar.

As supostas pressões de Lira, segundo Miranda diz ter ouvido de Pazuello, seriam a causa da demissão do general do Ministério da Saúde. O depoimento do parlamentar, em vídeo, foi enviado pela PF aos senadores da CPI da Pandemia e publicado pelo jornal O Globo.

Segundo Miranda disse ao delegado da PF que investiga o caso Covaxin, ele alertou o ministro sobre possível corrupção na compra de vacinas. “Eu disse: ‘Pazuello, tá tendo sacanagem no teu ministério. Tem que agir, mermão’. Aí ele falou: ‘Sacanagem tem desde que eu entrei’. Com aquele jeitão carioca dele”, disse Miranda.

O deputado relatou ao ministro que havia procurado Bolsonaro para entregar documentos sobre corrupção no contrato da vacina indiana. Nesse momento, segundo o deputado, Pazuello citou o chefe da Câmara.

“O Pazuello olha pra mim e diz assim: ‘Deputado, posso falar a verdade? Eu passei seis horas andando de helicóptero com ele (Bolsonaro) e consegui dez minutos de atenção dele. Eu não consigo. Eu tenho coisas pra resolver com ele e, porra, no final do ano eu levei uma pressão tão grande que eu não sei exatamente como resolver. Uma pressão… Um cara’ (E eu perguntei) ‘Que cara?’ ‘O Arthur Lira, porra. O Arthur Lira colocou o dedo na minha cara e disse: Eu vou te tirar dessa cadeira, porque eu não quis liberar a grana pra listinha que ele me deu dos municípios que ele queria que recebesse. Ele bota o dedo na minha cara’”, disse Miranda sobre o suposto desabafo do general.

 

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês