Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Luiz Inácio Sinatra Lula da Silva – Estava tudo escrito em 1994

Como a escolha do líder maior do PT pela aliança com as elites marca os 40 anos do PT

Por Robson Bonin Atualizado em 13 fev 2020, 10h00 - Publicado em 12 fev 2020, 06h01

Em 1994, VEJA publicou uma reportagem de oito páginas sobre a caravana do então candidato petista ao Planalto, Luiz Inácio Lula da Silva. O partido, que acaba de completar 40 anos, era então um pré-adolescente aprendendo valores e formando princípios a partir da confiança cega no seu líder maior.

A reportagem, uma aula de jornalismo produzida pelo mestre Elio Gaspari, começava com a cena de desencantamento do presidente do PT em Uruguaiana, Rogério de Moraes, talvez o primeiro petista a se deparar com a natureza do que Lula viria a ser no poder.

“Rogério de Moraes, 32 anos, auxiliar de enfermagem, fundador e presidente do Partido dos Trabalhadores de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, é um petista de mostruário. Cabelo até os ombros, jeans, pasta e uma prisão na memória. Chegara o seu grande dia. A quadra do ginásio municipal, próxima ao obelisco que lembra a rendição do general paraguaio Estigarríbia a dom Pedro II, estava enfeitada com bandeiras vermelhas, e a Caravana da Cidadania, com Luiz Inácio Lula da Silva a bordo, acabara de estacionar. Mal terminara o Lula-lá, Ronaldo Zulke, presidente do PT gaúcho, perguntou-lhe: ‘Onde estão os arrozeiros?’”

A reportagem de Elio Gaspari em 1994: “O PT discute fumaça e o seu candidato vai para a estrada” veja/VEJA

Naqueles tempos, os arrozeiros encarnavam a figura da elite que oprimia o proletariado. O jovem presidente do PT não era contra a conversa de Lula com os adversários, mas defendia que Lula tratasse os barões do arroz “em pé de igualdade” com a militância.

Os arrozeiros, porém, queriam uma conversa “exclusiva”, longe do evento da militância, no salão da prefeitura. E assim foi feito. Lula deixou de lado a militância no ginásio para ouvir a agenda da elite — e prometeu a eles exatamente o que “eles” queriam ouvir. “Perdemos. O partido quer falar com eles. Os arrozeiros tripudiaram sobre os setores populares”, lamentou-se o revolucionário Rogério.

Vista do alto dos 40 anos de estrada de Lula e seu partido, a desilusão do presidente petista de Uruguaiana em 1994 soa premonitória. Ao vestir a faixa presidencial, Lula trocaria os arrozeiros pelos empreiteiros, chamaria os empresários do ramo automotivo, do setor elétrico, da educação, dos frigoríficos… Lula abriu os cofres do governo à elite enquanto desfrutava com eles no salão da prefeitura, no caso o Planalto, enquanto abastecia os cofres do PT com milionárias remessas.

Lula já era dos arrozeiros em 1994, mas passaria quase toda a década seguinte inspirando o sonho militante de ruptura com as elites, os privilégios, os picaretas e os partidos burgueses do Congresso. Em defesa do petista, diga-se que ele nunca se empenhou no teatro.

Continua após a publicidade

A capa de VEJA: “Lula sozinho na estrada” Veja/VEJA

Estava tudo lá na reportagem de Gaspari: “Na semana passada, enquanto sua caravana atravessava 28 municípios do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, o PT parecia rachado ao meio. De um lado, Lula-72, encarnado pela bancada da esquerda da Comissão Executiva, de outro, Lula-94, mais moderado, buscando alianças e desfazendo temores. Trata-se de uma briga apaixonada porém irrelevante. Algo como uma eventual rebelião da equipe técnica que acompanha Frank Sinatra, inconformada com a escolha de um novo repertório. A equipe é capaz de tudo, menos de cantar”.

Em 2007, Lula Sinatra analisaria a parcialidade de sua cantoria. “Eu não tenho vergonha e muito menos tenho razão para não dizer que eu mudo de posição e há muito tempo eu digo que prefiro ser considerado uma metamorfose ambulante, ou seja, mudando à medida que as coisas mudam”, discursou triunfante o petista, reeleito após o mensalão. A frase poderia soar uma resposta ao inconformado presidente do PT de 1994.

Nos anos seguintes, Lula, sonhando em retornar ao Planalto em 2014, gestaria a criatura que acabaria com sua música. Dilma Rousseff, a gerentona da crise econômica acabaria negando a vez ao petista, seria reeleita, mas produziria o descalabro administrativo que geraria Jair Bolsonaro.

Já acossado pelas consequências da opção pelos “arrozeiros”, o líder maior do petismo, alvo da Lava-Jato, viraria a “alma mais honesta” do país, a jararaca a ser abatida a pauladas. Um condenado por corrupção, preso de luxo no mesmo Sul da caravana de 1994, corrupto moldado na trilha do tríplex do Guarujá, do sítio de Atibaia e das contas de propina da Odebrecht, da OAS.

Quarenta anos depois, muita coisa mudou no PT e quase nada mudou no PT. Apeado do poder, segue refém de Luís Sinatra e sua melodia.

 

Relembre aqui a edição de 2 de março de 1994.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês