Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Lavagem de dinheiro em restaurante japonês rende nova condenação a Cabral

Adriana Ancelmo também foi condenada pelo juiz Marcelo Bretas

Por Mariana Muniz Atualizado em 19 mar 2021, 01h50 - Publicado em 16 set 2020, 18h12

O juiz Marcelo Bretas condenou o ex-governador do Rio de Janeiro Sergio Cabral e a mulher dele, Adriana Ancelmo, por lavagem de dinheiro e crime contra os direitos trabalhistas no caso que envolve o uso de uma rede de restaurantes de comida japonesa pelo escritório da ex-primeira-dama para dissimular dinheiro de corrupção durante o governo. 

Segundo Bretas, Cabral “valendo-se do escritório de sua mulher, Adriana Ancelmo, movimentou vultosas quantias provenientes do esquema de corrupção que estabeleceu no governo do Estado do Rio de Janeiro durante sua gestão”. Considerado mentor intelectual do esquema, Cabral foi condenado a oito anos em regime fechado. Adriana, apontada como “mentora e beneficiária”, teve condenação maior: 13 anos em regime fechado. 

O caso é um desdobramento da Operação Calicute, levada a cabo pelo Ministério Público Federal. Os fatos foram revelados em colaboração premiada pelo principal sócio do estabelecimento, Ítalo Barros — casado com a irmã da mulher de Thiago Aragão, um dos sócios do escritório da ex-primeira dama. 

A denúncia aponta que o escritório de Adriana usava dinheiro de propina, recebido de fornecedores do governo do Rio, para pagar parte do salário dos funcionários do restaurante. O esquema começou em meados de 2014 e teria continuado até 2016. Os valores movimentados, segundo o MPF, chegam a 3.153.000 milhões de reais.  Tanto Barros quanto Aragão também foram condenados por Bretas.

O juiz da Lava-Jato não aplicou o benefício do acordo de delação premiada fechado com Cabral pela PF e homologado pelo Supremo em fevereiro — por levar em conta a determinação do ministro Edson Fachin de que ações penais em curso não seriam impactadas pela colaboração.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)