Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Justiça condena Cabral e Nuzman por corrupção na Rio-2016

Ex-diretor de operações do comitê olímpico, Leonardo Gryner, também foi condenado por compra de votos para garantir que Rio fosse cidade-sede do evento

Por Laísa Dall'Agnol Atualizado em 25 nov 2021, 21h31 - Publicado em 25 nov 2021, 20h55

O juiz federal Marcelo Bretas, da 7a Vara Criminal do Rio de Janeiro, determinou nesta quinta-feira a condenação do ex-governador do estado Sérgio Cabral e do ex-presidente do Comitê Olímpico Carlos Arthur Nuzman por corrupção nos Jogos Olímpicos de 2016.

Bretas concedeu que Nuzman pode recorrer da sentença em liberdade. Já Cabral cumpre pena no Complexo Penitenciário de Gericinó, no Rio de Janeiro — a soma das condenações do ex-governador já chega a 393 anos.

O ex-diretor de operações da Comitê Rio-2016, Leonardo Gryner, também foi condenado pelo juiz federal.

Cabral, que recentemente completou cinco anos na prisão, foi imputado com mais 10 anos e oito meses. Bretas considerou inválido um acordo de delação premiada fechado pelo ex-governador, sob o entendimento de que o STF havia decidido pela impossibilidade da Polícia Federal fechar esse tipo de acordo sem o consentimento do MPF.

O juiz determinou, ainda, pena de 30 anos e onze meses a Nuzman. Gryner recebeu condenação de 13 anos e dez meses.

Os três envolvidos haviam sido denunciados pelo Ministério Público Federal após a Operação Unfair Play, desdobramento da Lava Jato, em 2017 — à época, o ex-presidente do COB e o ex-diretor de operações da Rio-2016 chegaram a ser presos, mas foram soltos.

As investigações apontaram Nuzman como suspeito de ter intermediado o pagamento de propina para que o Rio de Janeiro fosse escolhido como cidade-sede dos Jogos Olímpicos de 2016.

Na sentença proferida nesta quinta, ele foi condenado por corrupção passiva, organização criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Gryner foi enquadrado nos dois primeiros crimes.

Já o ex-governador Sérgio Cabral recebeu a condenação por corrupção passiva, sendo considerado responsável pelo esquema de pagamento de propinas.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)