Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Isolado no G20, Bolsonaro prestigia ‘cercadinho’ de apoiadores em Roma

O presidente cumprimentou brasileiros diante da embaixada do país na capital da Itália, onde ficará até a terça-feira

Por Gustavo Maia Atualizado em 1 nov 2021, 06h18 - Publicado em 31 out 2021, 14h59

Depois de participar da sessão de encerramento da Cúpula de Líderes do G20, em Roma, o presidente Jair Bolsonaro protagonizou cenas dignas do “cercadinho” do Palácio da Alvorada ao cumprimentar dezenas de apoiadores brasileiros que o aguardavam diante da Embaixada do Brasil na capital italiana, na tarde deste domingo.

Durante o evento realizado nesta fim de semana, Bolsonaro chamou atenção pelo isolamento diante dos outros chefes de Estado presentes. Na manhã deste domingo, por exemplo, presidentes e primeiros-ministros de diversos países, como o francês Emmanuel Macron, a alemã Angela Merkel e o britânico Boris Johnson foram juntos à Fontana di Trevi para jogar uma moeda na fonte. Mas o presidente brasileiro não compareceu — ele e membros da sua comitiva foram ao local na sexta-feira.

O presidente, aliás, deve ficar na Itália até a terça-feira, para receber o título de cidadão honorário do município de Anguillara Vêneta, onde nasceu o seu bisavó paterno, e participar de uma cerimônia em memória dos pracinhas brasileiros mortos na Segunda Guerra Mundial.

Neste domingo, enquanto ele prestigiava seus apoiadores, que levaram balões verdes e amarelos, a COP-26 começou em Glasgow, na Escócia. Bolsonaro também não vai participar do evento.

Na sua fala para os fãs, que chegaram a entoar um jingle da campanha de 2018, o presidente repetiu uma série de afirmações sobre sua eleição — “estávamos na beira do comunismo”— sobre a pandemia — “não errei em nenhuma das alternativas que apresentei para a sociedade”—, e sobre a situação política e econômica no Brasil —”obviamente a oposição vê pela economia uma forma de desgastar e até mesmo derrubar a gente, e a gente faz o possível não é pra não cair, é pra ajudar a população”.

Também como no cercadinho em Brasília, jornalistas que tentavam acompanhar o brasileiro foram hostilizados e até agredidos, a exemplo do colunista do UOL Jamil Chade.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)