Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Governo restringe emendas de parlamentares a temas conservadores

Oposição critica que a cada ano ministérios limitam as ações em defesa de minorias, caso da comunidade LGBTQIA+

Por Evandro Éboli Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 2 jan 2021, 12h37 - Publicado em 2 jan 2021, 12h10

Alguns setores do governo – como Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos e a Fundação Palmares – estão restringindo os temas para destinação das emendas dos parlamentares.

Os ministérios, todo ano, elaboram um guia com orientação para apresentação de emendas, e trazem ali suas prioridades, reduzindo e engessando as opções para destinação da verba por parte, por exemplo, de parlamentares ligados a movimentos sociais.

As emendas são impositivas, ou seja, o governo é obrigado a pagar. Mas o governo Bolsonaro limita os temas.

Numa live recente ao lado de Bolsonaro, a ministra Damares Alves e o presidente se “explicaram” a seus seguidores conservadores porque são obrigados a destinar verba para ações LGBTQIA+.

Continua após a publicidade

“Vi que algumas pessoas ficaram chateadas porque a Damares destinou verba de seu ministério para os travestis. Ela é obrigada. São emendas que ela recebe desse pessoal de esquerda. As emendas são impositivas. Cobre do seu deputado”, disse Bolsonaro.

“E se eu não destinar esses recursos, de emendas impositivas, eu respondo por crime de responsabilidade”, se explicou a ministra.

Continua após a publicidade

“E não vamos fazer marchas, seminários e cartilhas”, disse ainda Damares.

Deputados da esquerda que atuam junto a movimentos de minorias criticam essa limitação de tipos de ações imposta pelo governo.

“O governo não vem demonstrando nenhum compromisso com a sociedade brasileira ao longo dos últimos anos para proteger e garantir direitos à população LGBTI+. Em 2019, já havia desfigurado os órgãos de participação social acabando com o Conselho Nacional LGBT. Além disso, não estão sendo mais disponibilizadas emendas para a sociedade civil voltadas ao combate à violência LGBTI-fóbica”, disse o deputado David Miranda (PSOL-RJ).

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.