Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Gabinete da Capitã Cloroquina ataca Luana Araújo: ‘Farsante’

'Se fosse os anos 90, seria capa da próxima Playboy. Como estamos no século XXI, será a próxima candidata do PSOL', escreveu uma assessora

Por Gustavo Maia Atualizado em 8 jun 2021, 10h10 - Publicado em 8 jun 2021, 07h29

Uma auxiliar direta da médica Mayra Pinheiro no Ministério da Saúde passou a usar o mesmo canal de WhatsApp em que divulga ações da pasta a jornalistas para propagar ataques contra a infectologista Luana Araújo, que prestou depoimento na CPI da Pandemia na semana passada. E com direito a uma insinuação sexista.

A assessora da secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, que ficou conhecida como Capitã Cloroquina pela defesa do medicamento contra a Covid-19, espalhou aos seus contatos uma mensagem com um pedido para que “por favor, divulguem essa verdade, ajudem a desmascarar essa farsante imposta pela mídia criminosa!!!”.

LEIA TAMBÉM: A CPI escancarou a tese antiglobalista da turma pró-cloroquina

O texto ironiza o currículo de Luana, infectologista formada pela UFRJ e mestra em saúde pública pela universidade Johns Hopkins que foi escolhida pelo ministro Marcelo Queiroga no mês passado para comandar a Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, mas dispensada dias depois de ter a nomeação barrada pelo Palácio do Planalto.

A mensagem da auxiliar de Mayra diz, entre outras coisas, que “a nova sumidade em Covid-19 eleita pela mídia e bajulada pela escória do Senado Federal” é cientista “com zero trabalhos publicados” e pesquisadora “sem currículo no Lattes”.

“Bonita, bem articulada, arrogante e lacradora. Se fosse os anos 90, seria capa da próxima Playboy. Como estamos no século XXI, será a próxima candidata do PSOL”, diz a servidora do Ministério da Saúde

Procurada pelo Radar, a assessora do Ministério da Saúde disse acreditar que qualquer opinião e ou “repost” nos seus perfis pessoais, ou mesmo por WhatsApp, “representam tão somente opiniões pessoais minhas, sobre os mais variados assuntos, incluindo política”. “Não há o que comentar”, finalizou.

A médica infectologista Luana Araújo durante depoimento à CPI da Pandemia -
A médica infectologista Luana Araújo durante depoimento à CPI da Pandemia – Jefferson Rudy/Ag. Senado
Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)