Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Espionagem ilegal até agora não chegou ao Exército, dizem militares

Falta de informações sobre o caso concreto e dados vazados fora de contexto colocaram instituições sob suspeição, o que é condenado pelas fontes militares

Por Robson Bonin Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 24 out 2023, 10h40 - Publicado em 24 out 2023, 07h30

Fontes militares dizem que o potencial escândalo do uso irregular de programas de inteligência na gestão de Jair Bolsonaro, alvo de investigação da Polícia Federal, até agora não chegou ao Exército.

Forças Armadas do mundo todo, assim como forças de segurança, contam com diferentes ferramentas em suas áreas de inteligência. O regramento para utilização desses equipamentos envolve protocolos sérios que são protegidos por tratarem de Segurança Nacional.

O alarme criado por causa das informações vazadas sobre a operação da semana passada colocou sob suspeição diferentes instituições que usam as ferramentas. O problema, dizem as fontes militares, não é ter o equipamento, mas sim fazer uso ilegal dele. “Ter o equipamento não significa, em absoluto, usá-lo fora de preceitos legais. A força atua dentro da lei”, diz uma fonte do Exército ao Radar.

O caso investigado pela PF, até onde se sabe, envolve o uso de uma ferramenta que aponta a localização de alvos pelo sinal do aparelho celular. A questão, diz um militar, é saber quem usou, a mando de quem e se as ações adotadas a partir das informações obtidas na ferramenta resultaram em outras ações de espionagem ilegal. “O que foi feito com essa informação obtida, em termos de uso político, também é algo crucial”, diz um militar.

Continua após a publicidade

Ao saber a localização de uma autoridade, os espiões poderiam seguir o alvo e até adotar outras práticas de monitoramento. Isso ocorreu? São muitas as informações pendentes de esclarecimentos, enquanto a decisão do ministro Alexandre de Moraes segue em sigilo no STF e a PF não apresenta dados oficiais.

“Ter o programa não torna ninguém suspeito. Essa comoção em torno do caso é provocada por informações divulgadas sem critério. É preciso aguardar para saber o que as investigações realmente confirmarão”, diz uma fonte da caserna.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.