Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Escolas de samba do Rio aguardam verba prometida por Eduardo Paes

Subvenção da prefeitura para os desfiles foi cortada na gestão de Marcelo Crivella; festa de 2021 não ocorreu por causa da pandemia

Por Lucas Vettorazzo Atualizado em 2 dez 2021, 17h58 - Publicado em 3 dez 2021, 12h30

O surgimento da variante Ômicron do novo coronavírus colocou em xeque a retomada das festas populares em todo o país. Diversos gestores públicos já disseram que irão avaliar as condições sanitárias antes de bater o martelo pela realização ou não de eventos de grande porte nas cidades. Com o Carnaval do Rio não é diferente. As escolas estão tocando os trabalhos na esperança de que, quando chegar a hora, a festa será mantida.

Será o primeiro Carnaval desta nova gestão de Eduardo Paes a frente da prefeitura do Rio. Neste ano, a festa teve que ser cancelada por causa da pandemia. No ano anterior, em 2020, último ano da gestão de Marcelo Crivella, as escolas ficaram sem os recursos que a prefeitura tradicionalmente destinava às agremiações para a produção dos desfiles.

De acordo com Jorge Perlingeiro, presidente da Liesa, a liga das escolas de samba do Rio, Paes prometeu aos manda-chuvas das agremiações que o Carnaval de 2022 teria o apoio financeiro da prefeitura. Ainda não se sabe de quanto será esse investimento. Procurado, o município não confirmou ainda o pagamento, esperado pelas escolas para este ano ainda.

Atualmente, o trabalho nos barracões é tocado com recursos do contrato de transmissão com a Rede Globo e da receita da venda de ingressos e espaços de camarotes e frisas no Sambódromo. Além disso, as escolas organizam ensaios abertos e feijoadas para engordar seus caixas.

“O prefeito prometeu pra gente que a prefeitura voltará a nos ajudar com o Carnaval. Estamos na esperança de que esses recursos cheguem em quinze dias no máximo”, disse Perlingeiro ao Radar.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês