Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Em votação apertada, Senado aprova novas regras para orçamento secreto

Emendas de relator terão limite de R$ 16 bilhões e divulgação de parlamentares favorecidos só passa a valer agora

Por Laísa Dall'Agnol Atualizado em 29 nov 2021, 22h29 - Publicado em 29 nov 2021, 22h21

Em votação bem mais apertada do que na Câmara, o Senado aprovou na noite desta segunda-feira o projeto de resolução que introduz novas regras para as emendas de relator — o mecanismo é conhecido por viabilizar o chamado orçamento secreto e sua execução está atualmente suspensa pelo STF.

Foram 34 votos favoráveis e 32 contrários. Na Câmara, a proposta passou por 268 votos a 31. Agora, o texto vai à promulgação.

O projeto de resolução prevê que o dinheiro das emendas de relator não poderá ultrapassar a soma de emendas de bancada e individuais na Comissão de Orçamento, o que corresponde a cerca de 16,2 bilhões de reais.

A proposta também determina a divulgação de políticos e entidades favorecidos pelas emendas de relator executadas no futuro. Os recursos passados, no entanto, seguirão em sigilo.

Esse foi o principal ponto criticado por parlamentares, entre eles o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que classificou a resolução votada como maneira de institucionalizar a corrupção e “fazer de conta que muda pra tudo continuar como está”.

Continua após a publicidade

O texto, diz Randolfe, contraria a decisão do STF que suspendeu a execução dos recursos e que determinou transparência às emendas de relator.

“Se trata do gasto de mais de 20 bilhões de reais no ano de 2020 e de 16 bilhões em 2021. Que não se sabe pra onde é destinado, quem faz a indicação, quem recebe. É, na prática, um gravíssimo e um dos mais escandalosos esquemas de corrupção já instituídos”, publicou o senador na tarde desta segunda-feira.

Na última semana, os presidentes da Câmara e do Senado redigiram nota conjunta avisando que não poderiam divulgar as informações dos dois últimos anos sobre quem usou o orçamento secreto e para onde foi o dinheiro.

Por outro lado, a consultoria do Senado emitiu, também nesta segunda, uma nota técnica na qual declara que as decisões dos chefes da Câmara e Senado descumprem a decisão do STF. O documento atesta, ainda, ser possível revelar quais são os parlamentares beneficiados com a distribuição de emendas entre 2020 e 2021.

O repasse de recursos via emenda de relator é visto como mecanismo do presidente Jair Bolsonaro para obter apoio no Congresso.

Continua após a publicidade

Publicidade