Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Bolsonaro diz em depoimento que Moro condicionou troca na PF a vaga no STF

O presidente depôs a PF nesta quarta-feira, no Palácio do Planalto

Por Gustavo Maia Atualizado em 4 nov 2021, 13h07 - Publicado em 4 nov 2021, 12h58

No depoimento que concedeu à PF nesta quarta-feira, no Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro confirmou que pediu ao ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro a troca do ex-diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, em meados de 2019, por “falta de interlocução”. Ele disse ainda que sugeriu o nome de Alexandre Ramagem, chefe da Abin, para comandar a corporação, e que Moro teria concordado, desde que a troca ocorresse após a sua indicação ao STF.

A resposta foi dada à primeira das 13 perguntas feitas pelo delegado da PF Leopoldo Soares Lacerda, que questionou por que Bolsonaro pediu a troca de Valeixo a Moro.

Segundo termo de declaração, o presidente disse que “não havia qualquer insatisfação ou falta de confiança” com o trabalho realizado pelo então chefe da PF, “apenas uma falta de interlocução”.

Ao relatar a indicação de Ramagem, “em razão da sua competência e confiança construída ao longo do trabalho de segurança pessoal do declarante durante a campanha eleitoral de 2018”, Bolsonaro afirmou que Moro “teria concordado com o Presidente desde que ocorresse após a indicação do ex-Ministro da Justiça à vaga no Supremo Tribunal Federal”.

Afirmou ainda que conheceu Ramagem após o 1° turno, quando ele assumiu a coordenação da sua segurança como candidato à Presidência, e que, “salvo engano”, os seus filhos também não o conheciam até aquele momento.

O presidente concluiu a resposta afirmando que “nunca teve como intenção, com a alteração da Direção Geral, obter informações privilegiadas de investigações sigilosas ou de interferir no trabalho de Polícia Judiciária ou obtenção diretamente de relatórios produzidos pela Polícia Federal”.

Continua após a publicidade

Publicidade