Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Vice de Santa Cruz atua para defender Bolsonaro dentro da OAB

Vice-presidente Luiz Viana é contra posicionamentos do Conselho Federal

Por Lucas Vettorazzo Atualizado em 8 jun 2021, 20h04 - Publicado em 8 jun 2021, 15h30

Vice-presidente nacional da OAB, o advogado baiano Luiz Viana Queiroz, tem causado constrangimento entre conselheiros ao cobrar, em grupo de WhatsApp da entidade, que eles defendam Jair Bolsonaro de críticas que o próprio Conselho Federal da Ordem tem feito contra o negacionismo do presidente na pandemia. 

Em março, a OAB pediu à PGR que denunciasse o chefe do Executivo por crimes cometidos na gestão da crise sanitária. Em maio, Viana disse que a entidade não deveria “ter dono ou partido político”, em uma crítica que marcou seu distanciamento do atual presidente nacional, Felipe Santa Cruz, e sua aproximação do discurso bolsonarista. Viana é virtual candidato ao comando da OAB nacional, em janeiro do ano que vem. 

Alguns conselheiros nos bastidores estão reunindo indícios de que, apesar de a campanha não ter começado oficialmente, Viana estaria ultrapassando alguns limites em sua postura.  

No início desta semana, o dirigente enviou para diversos conselheiros da ordem via WhatsApp uma reportagem de um portal de notícias do Mato Grosso com críticas do advogado Paulo Peixoto ao presidente da seccional da OAB do estado, Leonardo Campos. 

Peixoto, que é pré-candidato da oposição à presidência da seccional local, diz na reportagem que Campos estaria em “silêncio” em relação à oposição do Conselho Federal a Bolsonaro. 

Continua após a publicidade

Além de compartilhar o link, Viana incluiu o seguinte pedido aos remetentes: “Isso que temos que fazer em todos os Estados”.

Se a campanha para a OAB Nacional já estivesse oficialmente em curso, a atuação poderia render a perda do registro de candidatura a Viana, já que o provimento 146/2011 da OAB Nacional diz que seus dirigentes só podem fazer campanha em Estados em que eles disputam o comando da seccional local.

No início da noite desta terça-feira, representantes do movimento “OAB em Defesa da Advocacia”, do qual Viana faz parte, entraram em contato com a coluna para negar que o vice-presidente da entidade estaria defendendo Bolsonaro. O grupo lembra da publicação em abril passado de manifesto com críticas à “partidarização” da OAB e ao chamado uso da entidade como “trampolim eleitoral”.

O grupo garante que o Viana não defendeu o presidente, apesar de a coluna ter tido acesso a um print de uma das mensagens do dirigente em apoio a Bolsonaro. Segundo a nota enviada a Radar, “é equivocada a afirmação de que um dos seus integrantes, o vice-presidente Luiz Viana, atue para defender esta ou aquela figura política no cenário nacional, como afirma o título da nota”. “Trata-se, naturalmente, de uma imputação de adversários do movimento pois não há um único gesto, um único ato de seus integrantes em defesa de qualquer político, de qualquer matiz que comprove isso”, diz o grupo.

 

Continua após a publicidade

Publicidade