Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Deputados do Rio tentam barrar projeto de Tarcísio para o Santos Dumont

Proposta do governo de Jair Bolsonaro amplia o número de voos do aeroporto; contrários à mudança dizem que ela é prejudicial ao Galeão

Por Lucas Vettorazzo Atualizado em 16 dez 2021, 16h12 - Publicado em 16 dez 2021, 15h30

Deputados da Assembleia Legislativa do Rio farão uma manobra para tentar dificultar os planos do governo de Jair Bolsonaro de conceder o aeroporto Santos Dumont, no centro da cidade, à iniciativa privada. O terminal será ofertado no ano que vem, na última rodada de privatizações de aeroportos tocada pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas.

O edital lançado pelo governo federal prevê a ampliação no número de voos do aeroporto, que fica em uma região central da capital. Inicialmente projetado para ser um aeroporto doméstico, o terminal recebeu no ano passado mais passageiros que o Galeão, o aeroporto internacional que é maior e que fica na Ilha do Governador, a cerca de 18 quilômetros do centro.

Vários políticos entraram na briga com o governo federal com o argumento de que a ampliação do terminal central levaria à falência o mais afastado. Até o prefeito do Rio, Eduardo Paes, desferiu golpes em direção à Brasília. Disse que o projeto de ampliação do Santos Dumont teria uma motivação eleitoral, já que Tarcísio tentará se eleger governador de São Paulo no ano que vem com a benção de Jair.

André Ceciliano, o petista que preside a Assembleia do Rio, decidiu mostrar que tem força política para influenciar nos temas no estado ao mesmo tempo em que vê a oportunidade de fustigar o governo do principal rival de Lula no ano que vem.

Ceciliano pautou para esta quinta-feira no plenário da Assembleia um projeto de lei que suspende os efeitos de uma licença ambiental provisória concedida em junho deste ano pelas autoridades estaduais do Rio que permitia obras de adequação do Santos Dumont à futura concessão. As intervenções incluiriam a ampliação da icônica– e pequena– pista de pouso às margens da Baía de Guanabara.

Se o projeto passar, em tese, as obras não poderiam ocorrer. O constrangimento para o governador Cláudio Castro (PL), que é aliado de Bolsonaro, pode ser grande.

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês