Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Depois de surgir ao lado de Bolsonaro no debate, Moro sofre nas redes

Resgatada no Twitter, publicação do ex-juiz em janeiro desse ano diz que Bolsonaro "não é digno da Presidência"

Por Gustavo Maia Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 17 out 2022, 12h01 - Publicado em 17 out 2022, 11h56

Ex-ministro da Justiça e Segurança Pública do governo de Jair Bolsonaro, Sergio Moro se demitiu do cargo há quase dois anos e meio e saiu “atirando” contra o presidente, a quem acusou de interferência na Polícia Federal. No fim do ano passado, o ex-juiz da Operação Lava-Jato embarcou em um projeto presidencial que acabou naufragando e acabou se elegendo senador pelo Paraná, pelo União Brasil.

Neste domingo, ele foi com o ex-chefe no debate da Band, servindo como assessor do presidente no duelo contra Lula e posicionando-se ao lado de Bolsonaro durante a entrevista que ele concedeu após o evento.

A reaproximação após o rompimento, tratado pelo presidente como uma mera briga conjugal — “Você nunca brigou em casa com o marido?” — fez ressurgirem publicações de Moro pouco favoráveis ao “novo” aliado.

“Assim como Lula, Bolsonaro mente. Nada do que ele fala deve ser levado a sério. Mentiu que era a favor da Lava Jato, mentiu que era contra o Centrão, mentiu sobre vacinas, mentiu sobre a Anvisa e o Barra Torres e agora mente sobre mim. Não é digno da Presidência”, escreveu o ex-ministro no Twitter, no dia 10 de janeiro desse ano, há pouco mais de nove meses.

Continua após a publicidade

Dois dias depois, o ex-juiz escreveu na mesma rede que Bolsonaro havia admitido, em entrevista, que “nunca defendeu o combate à corrupção e a Lava Jato”. “Era só mais um discurso do seu estelionato eleitoral”, atacou.

Por conta do seu auxílio ao presidente em um debate, Moro também foi comparado ao padre Kelmon, candidato do PTB ao Palácio do Planalto que atuou como linha auxiliar de Bolsonaro no primeiro turno — o deputado federal Alexandre Frota foi um dos que tirou sarro do ex-juiz nas redes:

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.